Até sempre e obrigado Inverno Amaral

O desporto automóvel está mais pobre com a partida do piloto Inverno Amaral, cuja carreira ficou intimamente ligada à Renault. Inverno Amaral sagrou-se Campeão Nacional de Ralis em 1987, contribuindo, também, nesse ano, para a conquista do título de Marcas por parte da Renault. Por isso e por tudo o que fez no tempo em que deu vida à saudosa equipa “Renault Galp”, tornou-se um nome incontornável na história desportiva da Renault, em Portugal. O piloto algarvio partiu hoje, mas vai deixar saudades… Hora de relembrar o talentoso piloto algarvio…

image

José Inverno Amaral deixou o seu nome gravado na história do automobilismo nacional, mas também na história da competição da Renault, cujo uma parte do sucesso, na segunda parte da década de 80, muito a ele também se deve.

Com uma carreira desportiva verdadeiramente eclética, que passou por disciplinas tão diferentes como o Popcross (onde foi campeão em 1980), a Velocidade e o Todo-o-Terreno, o piloto algarvio encontrou, nos ralis, a forma mais natural de expressar o seu talento e rapidez ao volante, alcançando nessa disciplina os melhores resultados desportivos e contribuindo para que a Renault brilhasse ao mais alto nível.

image

Dando nas vistas no Troféu Citroën Visa de Ralis (que venceu em 1983), Inverno Amaral entrou, definitivamente, no radar da equipa Renault Galp, em 1986, depois de dar nas vistas e de alcançar resultados de destaque com um “limitado” Renault 11 Turbo de Grupo N nas provas do Campeonato Nacional de Ralis, onde chegou a conquistar um expressivo quarto lugar no “Rally Lois Algarve”, perante máquinas muito mais potentes.

image

Com os ralis a atravessarem uma fase de mudança, devido à interdição dos célebres “Grupo B”, e a equipa Renault Galp a direcionar, em 1987, a sua aposta para os competitivos Renault 11 Turbo de “Grupo A”, Inverno Amaral foi chamado à formação oficial da então Renault Portuguesa, com um ambicioso objetivo: dar sequência ao sucesso da equipa nos anos anteriores, onde a dupla Joaquim Moutinho/Edgar Fortes, ao volante do Renault 5 Turbo, tinha conquistado dois títulos nacionais!

image

Campeão Nacional de Ralis com um Renault 11 Turbo

E não demorou muito até que o combativo piloto cumprisse o desígnio dos responsáveis da equipa! No ano de estreia do Renault 11 Turbo de “Grupo A” da equipa oficial Renault Galp, Inverno Amaral, acompanhado pelo navegador Joaquim Neto, somou cinco triunfos (Rali das Camélias, Rali da Figueira da Foz, Rali S. Miguel/Açores, Rali da Madeira – melhor português – e Rali do Algarve), conquistando o título de Campeão Nacional de Ralis e ajudando a Renault a vencer o título de Marcas, para o qual também contribuiu, nesse ano, a outra dupla da equipa, constituída por Manuel Mello Breyner e Alfredo Lavrador. 

image

Renovada a aposta em 1988, Inverno Amaral voltou a sobressair no seio da equipa Renault Galp. Contudo, duas vitórias (Rali das Camélias e melhor português no Rali de Portugal) e mais dois segundos lugares (Rali do Porto, Rali S. Miguel e Rali do Algarve) não foram suficientes para que conseguisse renovar o título. Um ano em que os regulamentos do Campeonato Nacional de Ralis mudaram, obrigando o Renault 11 Turbo a sofrer uma ligeira redução de potência (de cerca de 200-210 cavalos, passou a ter 185-190 cavalos) e, sobretudo, a conviver com máquinas de quatro rodas motrizes, mais competitivas no terreno.

image

Ainda assim, em 1988, a Renault conquistou o vice-campeonato de Marcas, fruto das boas prestações de Inverno Amaral e também da dupla Bento Amaral e Rui Bevilacqua, entretanto, chegada à equipa.

image

Um ano depois, no seu terceiro ano com a equipa Renault Galp, e numa altura em que a crescente evolução e maior competitividade dos modelos de tração integral era já incontornável, voltou a conseguir extrair o máximo partido do Renault 11 Turbo (já Phase II), mas apesar das suas constantes demonstrações de talento não logrou repetir mais o título alcançado em 1987. Ainda assim, deixou gravado no palmarés da equipa (no ano em que dela se despediu e em que ela também terminou) um triunfo no Rali da Figueira da Foz e quatro pódios (Rali Sopete, Volta a Portugal, Rali Alto Tâmega e Rali S. Miguel/Açores), que lhe valeram a conquista do terceiro lugar do Campeonato Nacional de Ralis, a mesma classificação alcançada pela Renault no Campeonato de Marcas.

image

Memórias que o tempo, por certo, não apaga, como, certamente, preservará a lembrança do talentoso e competitivo piloto, para quem os resultados eram sempre mais importantes que o mediatismo.

Obrigado e até sempre Inverno!