Caramulo Motorfestival com a maior edição de sempre

• Evento, que vai decorrer de 6 a 8 de setembro, foi apresentado no Museu do Caramulo.

A XIV edição do Caramulo Motorfestival, o maior festival motorizado em Portugal, regressa à Serra do Caramulo nos próximos dias 6, 7 e 8 de setembro, com muitas novidades e a maior programação de sempre. O festival foi apresentado numa conferência de imprensa que decorreu no Museu do Caramulo.

Organizado pelo Museu do Caramulo, em parceria com o Automóvel Club de Portugal, o Caramulo Motorfestival tem este ano a edição mais marcante, numa altura em que se comemoram os 60 anos do Museu e os 40 anos da Rampa do Caramulo. A organização espera um aumento significativo do número de visitantes, face aos 30 mil das edições anteriores.

“Esperamos ter um aumento de 10 a 20 por cento no número de visitantes, devido ao programa de qualidade que conseguimos apresentar”, sublinhou Salvador Patrício Gouveia, do Museu do Caramulo, durante a conferência de imprensa. “Vamos trazer um conjunto de pilotos convidados de grande nível, como Marku Allen ou Filipe Albuquerque, além de alguns pilotos que fizeram história nas primeiras edições da Rampa do Caramulo, alguns deles com os carros originais. Temos um plantel de luxo tanto nos automóveis como nos pilotos”, acrescentou. O organizador recordou que, em 2006, o Caramulo Motorfestival integrava apenas quatro eventos, número que este ano ascende aos 50, divididos pelos três dias e destinados a toda a família. “Vamos contar com mais de 1.100 automóveis, motos e aviões nos diversos eventos do programa”, adiantou.

Pedro Machado, presidente do Turismo Centro de Portugal, destacou o facto de este ser um “evento turístico-desportivo que dura três dias, o que está em linha com a matriz do Turismo Centro de Portugal, focada em aumentar a permanência de turistas na região”, e de ser um festival “que apresenta um programa destinado a vários segmentos de público”. Além de que, disse, “demonstra a aptidão que o Centro de Portugal tem hoje para receber grandes eventos turístico-desportivos, e em particular motorizados, como foi o caso do Rali de Portugal, que levou milhares de pessoas à região”. “O Caramulo Motorfestival revitaliza a marca Caramulo e projeta toda a região. É uma bandeira do Centro de Portugal”, acrescentou Pedro Machado.

Pedro Adão, vereador na Câmara Municipal de Tondela, assinalou o facto de o festival ter este ano “uma dimensão muito maior”. “A Câmara Municipal de Tondela não poderia deixar de se associar e de apoiar este festival, pela projeção que faz do concelho. Tal como o Museu do Caramulo, que ao longo dos anos tem colocado o Caramulo no centro das atenções, com significativo impacto turístico”, frisou.

Também presente na conferência de imprensa, João Jordão, do Automóvel Club de Portugal (ACP), elogiou a capacidade do evento em ter “conseguido construir um posicionamento único no panorama nacional”. Além disso, realçou a circunstância de o festival acontecer “fora de Lisboa e dos grandes centros”. “O ACP é adepto de se levar o desporto automóvel a todo o país”, considerou.

Edição com muitas novidades

A principal atração do Caramulo Motorfestival continua a ser a Rampa Histórica Michelin, que este ano contará com quase 90 automóveis clássicos, históricos e de competição, nas categorias de velocidade e regularidade. A Rampa do Caramulo celebra 40 anos em 2019, data que será assinalada durante o Caramulo Motorfestival com uma exposição temporária intitulada “Rampa do Caramulo – 40 Anos”, patente no Hotel do Caramulo e com entrada livre.

Como é hábito, o evento vai também contar com uma longa lista de pilotos convidados a participar na Rampa Histórica Michelin e no convívio com o público. Entre estes encontra-se Markku Alén, o piloto que detém o título de maior número de vitórias em estágios no Campeonato Mundial de Rali, que se estreia no evento e que irá fazer as delícias dos amantes dos ralis e da velocidade. Juntam-se a ele, ainda, Filipe Albuquerque, o piloto português que compete atualmente no Campeonato DTM e Pedro Marreiros, Campeão de Espanha GTs. Para assinalar os 40 anos da Rampa do Caramulo, o Caramulo Motorfestival vai ainda contar com a presença de vários pilotos que correram na prova nos anos 70 e 80 como Albino Abrantes, Ni Amorim, António Rodrigues, Edgar Fortes, Araújo Pereira, António Barros, Veloso Amaral ou Alcides Petiz.

Entre as muitas novidades da edição deste ano, está a Motorlândia Fun Park, um miniparque de diversões destinado aos mais novos, com um comboio, uma pista de karts elétricos e muitos jogos e simuladores. A Feira da Automobilia cresce e será ao ar livre. Outras novidades incluem a introdução de uma Pista de Trial, onde além de poderem assistir a demonstrações em moto e bicicleta realizadas por pilotos profissionais, o público (miúdos e graúdos) vai poder realizar batismos de Trial em motos elétricas. O perímetro do evento vai também ser alargado para poder dar resposta à crescente procura de clubes e particulares, que querem visitar e participar no Caramulo Motorfestival, com os seus automóveis e motociclos clássicos.

O programa inclui também o Passeio 200 Milhas, o Passeio Rota do Clássicos, a Coleção de Automóveis, Motociclos, Velocípedes e Miniaturas do Museu do Caramulo, o Air Show, uma pista de trial, concentrações de clubes, música ao vivo e três exposições temporárias, entre outras iniciativas.

Ao longo de todo o fim-de-semana, o público vai poder ainda deliciar-se com mais um clássico do Motorfestival que atrai todos os olhares: o espetáculo aéreo de aviões clássicos, que conta com modelos históricos pilotados por experientes aviadores, seja em voo de desmonstração ou acrobático.

O Museu do Caramulo é também uma das atrações do Caramulo Motorfestival, com as suas coleções permanentes de arte, automóveis, motos, bicicletas e brinquedos. O museu vai ainda apresentar um conjunto de exposições temporárias. Entre estas estará a exposição “Supercarros”, dedicada aos super e hypercars e com um alinhamento de luxo constituído por modelos raros da Ferrari, Lamborghini, Porsche, Bugatti, Mercedes-Benz ou McLaren.

Estarão ainda patentes, durante o evento, as exposições “Brinquedos do outro mundo”, dedicada aos brinquedos da era espacial e a exposição de arte contemporânea “Black Box: Potlatch”, com curadoria de Julião Sarmento, que conta com obras de seis artistas plásticos como Leonor Antunes, Juan Araujo, João Maria Gusmão & Pedro Paiva, António Bolota e Carolina Pimenta.

Encontros, passeios e concentrações
Característicos do Caramulo Motorfestival, regressam ainda os passeios e ralis de automóveis como a Rota das Clássicos, o Encontro Porsche, o Passeio Caramulo TT para veículos todo-o-terreno, o Passeio Histórico Salamanca-Caramulo e o passeio 200 Milhas, além da estreia do Passeio Abarth, que celebra 70 anos da marca italiana do escorpião.

As duas rodas também estarão representadas em peso no Encontro das Café Racers, no Encontro das Cinquenta, na concentração Vespa Caramulo, no Passeio Ducati, na Raiada do Caramulo, dedicada às bicicletas antigas e com a novidade do Encontro Mini Honda, que vai trazer um batalhão de modelos Monkey e Mini Trail, antigos e modernos.

Transmissão em direto
Tal como em 2018, o Caramulo Motorfestival vai ser transmitido em direto por um canal de televisão por cabo, assim como em Live Streaming para todo o mundo via internet. A cobertura vai abranger todo o evento, incluindo a Rampa Histórica do Caramulo, os bastidores, os sub-eventos e entrevistas aos pilotos e participantes, entre outros.

O evento é gratuito e a organização mantém a aposta numa programação abrangente e dirigida ao público em geral e às famílias em particular, que inclui atividades lúdicas, parques infantis insufláveis, gastronomia, bares e zonas chill out com música durante todo o evento. Programa completo em www.caramulo-motorfestival.com

Sobre o Turismo Centro de Portugal:

O Turismo Centro de Portugal é a entidade que estrutura e promove o turismo na Região Centro do país. Esta é a maior e mais diversificada área turística nacional, abrangendo 100 municípios, e tem registado um intenso crescimento da procura interna e externa. É a região a escolher para quem pretende experiências diversificadas, pois concilia locais Património da Humanidade com a melhor costa de surf da Europa, termas e spas idílicos, locais de culto de importância mundial e as mais belas aldeias.

Vitória histórica do Renault ZOE no Oeiras Ecorally

O Renault ZOE da dupla Nuno Serrano/Alexandre Berardo venceu a edição 2019 do Oeiras Ecorally. Um resultado histórico para o automobilismo nacional, uma vez que a prova integra o calendário do FIA Electric and New Energy Championship, um “mundial” reservado a automóveis elétricos rigorosamente de série. A Renault – campeã em título da competição! – também assegurou a vitória na Taça de Construtores, uma vez que, entre os quatro primeiros classificados, terminaram três Renault ZOE.

Depois de três dias de intensa competição pelas estradas da Serra da Arrábida, Serra de Sintra, mas também pelos concelhos de Mafra e Oeiras, a dupla Nuno Serrano/Alexandre Berardo assegurou a vitória na edição 2019 do Oeiras Ecorally. Aos comandos de um Renault ZOE com o apoio da filial da marca em Portugal, a formação nacional impôs-se claramente à concorrência, inclusivamente às equipas internacionais que disputam o calendário do FIA Electric and New Energy Championship. Aliás, o atual líder do “mundial” reservado a automóveis elétricos, o polaco Artur Prusak – também em Renault ZOE! – foi o 2º classificado, enquanto o derradeiro lugar do pódio foi ocupado pelo italiano Walter Kofler num Audi E-Tron.

Como sublinhou Nuno Serrano à chegada do Oeiras Ecorally, “esta vitória tem um sabor muito especial. Foi uma prova muito disputada, com uma concorrência muito forte. Logo no primeiro dia vencemos a Street Stage disputada em Oeiras e, a partir daí, foi manter a concentração sem descurar nenhum detalhe, como é imperioso destas competições de regularidade. O Renault ZOE esteve sempre a um excelente nível, pelo que este é um resultado que nos enche de orgulho.”

Também aos comandos de um Renault ZOE apoiado pela Renault Portugal, referência para a dupla João Vieira Borges/Filipe Menezes que, não fossem os problemas registados com os instrumentos de aferição específicos das provas desta natureza, e teria terminado num resultado bem mais positivo do que o 12º lugar final.

O Oeiras Ecorally foi a 4ª prova do calendário do FIA Eletric and New Energy Championship. Um “mundial” reservado a automóveis elétricos sem qualquer tipo de preparação – rigorosamente idênticos aos que são comercializados nos concessionários – composto por 14 provas disputadas em três continentes: Europa, América e Ásia.

Turismo Centro de Portugal destaca regresso do Rali de Portugal ao seu “santuário”

• Melhor rali do Mundo está de volta às míticas classificativas de Lousã, Góis e Arganil. A partida será na Universidade de Coimbra.

Data: 29/01/19

Dezoito anos depois, o Rali de Portugal está de volta às estradas do Centro de Portugal. O Turismo Centro de Portugal congratula-se com este regresso, há tanto tempo aguardado pelos entusiastas do desporto automóvel, que recordam com nostalgia as míticas classificativas de Arganil, Lousã e Góis, recheadas de momentos que marcam a história da modalidade.

Este acontecimento tão relevante foi o destaque da apresentação oficial da edição de 2019 da prova. Uma apresentação que aconteceu em dose dupla: na sede do Automóvel Clube de Portugal e na Câmara Municipal de Coimbra. Será em Coimbra, mais concretamente na Porta Férrea da Universidade, que, a 31 de maio, será dada a partida para os 80 carros que vão competir e que seguem depois para os troços cronometrados de Lousã, Góis e Arganil.

Pedro Machado, presidente do Turismo Centro de Portugal, destaca que “passados 18 anos, voltamos a ter o melhor rali do mundo no seu santuário, naquele que é verdadeiramente o sítio natural”, e recorda a importância que este evento assume para a região: “A captação de um grande evento como o Rali de Portugal transforma a nossa região, ajudando a esbater as assimetrias regionais. O rali é um veículo privilegiado para unir o litoral e o interior, uma vez que junta o património mundial com o queijo, o vinho, o mel e tantas das nossas iguarias, e que se transforma num grande momento de afirmação internacional”. “O Centro de Portugal é uma grande região que tem hoje a capacidade de atrair grandes eventos – o Rali de Portugal, o campeonato do mundo de trail running, a nova Maratona da Europa, em Aveiro, e tantas outras provas que este ano vão ser feitas no centro do país, e que ajudam ao aumento da nossa atratividade”, acrescenta.

O regresso do rali representa também um importante impacto económico para os territórios envolvidos e que sentem já hoje a procura de alojamentos para esses dias. “Os alojamentos, a restauração, os serviços, todo o comércio da região vai beneficiar deste grande evento, nos dias 29, 30 e 31 de maio. Um dos nossos pré-requisitos foi que o rali dormisse pelo menos uma noite no Centro de Portugal. Era muito importante asseguramos que os 160 pilotos ficassem por aqui, para que a região pudesse usufruir desta aventura”, justifica Pedro Machado.

A 53.ª edição do Rali de Portugal, sétima etapa do Campeonato do Mundo de Ralis (WRC), decorre entre 30 de maio e 2 de junho.

O programa do Rali conta com um percurso de 1.463,55 quilómetros, dos quais 311,59 cronometrados ao longo de 20 especiais de classificação. O shakedown tem lugar a 30 de maio no circuito de Baltar, em Paredes, seguindo-se a partida da porta férrea da Universidade de Coimbra.

Para dia 31 estão previstas passagens por Coimbra, Lousã, Góis, Arganil e Lousada. No dia seguinte, o Rali terá especiais em Vieira do Minho, Cabeceiras de Basto, Amarante e Vila Nova de Gaia. Por fim, a 2 de junho, Montim, Fafe e Luílhas acolhem as derradeiras etapas, antes da consagração dos vencedores em Matosinhos.

Sobre o Turismo Centro de Portugal:
O Turismo Centro de Portugal é a entidade que estrutura e promove o turismo na Região Centro do país. Esta é a maior e mais diversificada área turística nacional, abrangendo 100 municípios, e tem registado um intenso crescimento da procura interna e externa. É a região a escolher para quem pretende experiências diversificadas, pois concilia locais Património da Humanidade com a melhor costa de surf da Europa, termas e spas idílicos, locais de culto de importância mundial e as mais belas aldeias.

Para mais informações:

Adriana Rodrigues
Chefe de Núcleo de Administração Geral e Comunicação
Turismo Centro de Portugal
adriana.rodrigues@turismodocentro.pt
+351 926 800 339

Luís Miguel Nunes
Consultor de comunicação
luismiguelnunes@atelierdocaractere.pt
+351 967 638 612

Rui Madeira no Rallye das Camélias para recordar bons velhos tempos!

Rui Madeira vai participar no Rallye das Camélias, prova emblemática do panorama dos ralis nacionais que, este ano, está de regresso às estradas dos concelhos de Cascais, Sintra e Mafra. O “Campeão do Mundo” de Grupo N, de 1995, vai participar ao volante de um Mitsubishi Lancer Evo IX, que partilhará com um navegador muito especial…

Encarando a prova com enorme espírito de descontração, Rui Madeira admite que “esta participação tem um lado simbólico grande. É um rali mítico, às portas de Lisboa, com classificativas lendárias, de que a especial de Sintra é o melhor exemplo. Só por isso não podia faltar, mas há mais razões”, confessa. “Só participei neste rali uma única vez, em 1991, então inserido no Troféu Citroën AX Sport. Mas, na segunda metade da década de 80, foram muitas as vezes em que passei nessas estradas. O sonho em ser piloto não passava de uma utopia, mas eu divertia-me imenso na zona, ao volante de um Mini 1000, com a companhia de um amigo de infância, incansável a tirar e a corrigir notas.”

O amigo era, nem mais nem menos, Miguel Duarte… O popular “Miguel do Dia a Dia” que, volvidos mais de 30 anos, finalmente efetua a primeira prova oficial, ao lado de Rui Madeira: “Algum dia tinha de ser”, reconhece o conhecido empresário de catering. “Vamos divertir-nos imenso, mas quem conhece o ‘Pé de Gesso’ (expressão com que Rui Madeira é conhecido entre os amigos) sabe que ele vai querer andar… a fundo! Mas há uma vitória que ele já conquistou: ter conseguido arranjar uma ‘bacquet’ para o meu tamanho!”

Com evidente boa disposição, Rui Madeira destaca “o amigo e companheiro inseparável das aventuras desses tempos (e de sempre), com quem há muito estava prometida esta ‘viagem no tempo’… só que agora de capacetes, luvas e com umas dezenas de quilos a mais de lastro.”

A participação é, acima de tudo, “uma homenagem a esses gloriosos tempos”, afirma o piloto de Almada. “Claro que o ´lastro´ que vou levar do lado direito vai tornar a afinação do Mitsubishi Lancer EVO IX num enorme desafio. Vamos ser imbatíveis no peso (risos), mas mais ainda na amizade e na boa disposição dentro do carro. Ou seja, é com um espírito muito especial que vamos participar no Rallye das Camélias. Mas também prometemos que vamos andar depressa e tentar proporcionar espetáculo, pois o muito público que, certamente, estará presente, merece viver momentos de emoção.”

“E lanço o desafio para que saiam de casa e venham ver o Rallye das Camélias. É o regresso dos ralis à Grande Lisboa e logo nas míticas estradas de Sintra. O automobilismo nacional e os ralis, em particular, precisam de uma prova às portas de Lisboa. Não tenho dúvidas que vai ser muito interessante de seguir e com um ambiente ímpar”, afirma Rui Madeira.

Apesar da promessa em andar o mais rápido possível, Rui Madeira não pensa em resultados: “isso é o menos importante. As inscrições ainda não terminaram, mas é claro que vamos tentar discutir os lugares da frente. Mas repito: sobretudo vamos querer dar espetáculo, também com o objetivo de premiar um conjunto de parceiros que viabilizaram o projeto: a Riberalves, Omnicraft, Mitsubishi Motors e o Município de Almada.”

Em termos competitivos, o Rallye das Camélias disputa-se no próximo dia 1 de dezembro, em piso de asfalto, num percurso total de 215,85 km, dos quais 69,20 km disputados ao cronómetro, ao longo de sete provas especiais.

RallySpirit Altronix: Mais um enorme sucesso!

Pelo quarto ano consecutivo, o RallySpirit Altronix voltou a ser uma prova ímpar no panorama do desporto automóvel nacional. Celebrando a paixão pelos carros de ralis, e em particular, por aqueles que ganharam um lugar de destaque na História, a prova juntou cerca de uma centena de equipas, trinta por cento das quais internacionais, que abrilhantaram três dias repletos de emoções fortes. Alimentando o imaginário de milhares de espectadores que puderam “regressar ao passado”, o RallySpirit Altronix foi, também, palco privilegiado de uma competição disputada ao cronómetro. E aí, a estrelaconvidada, François Delecour, fez valer o seu reconhecido talento e currículono “Mundial” de Ralis, alcançando uma soberba vitória na Categoria “Spirit”. Já o espanhol Pablo Pazó assegurou o triunfo entre os “Históricos”. Com mais de 40 km disputados ao cronómetro, percorrendo belíssimas paisagens entre as cidades de Vila Nova de Gaia e Barcelos, foram três dias de inesquecível glamour, embelezadas por muitos carros míticos, onde, não raramente, os opostos se tocaram. Foi, por exemplo, oque aconteceu com o Ford RS 200 da saudosa era de ouro dos Grupo B e a Renault 4 que disputou provas do “Mundial. Ou seja, voltou a fazer-se história no RallySpirit Altronix…

O RallySpirit Altronix, organizado pela Xikane, com o apoio do Automóvel Clube de Santo Tirso, é já um marco no calendário das competições desportivas nacionais. Com uma moldura de carros sem paralelo, que fazem vibrar pelo colorido, memórias e exibições dos pilotos, a prova voltou a fazer mexer com as emoções do muito público que fez questão de acompanhar o rali aos longo dos três dias.

Desde a cerimónia oficial da partida e da chegada, na marginal de Vila Nova de Gaia e com o Douro em pano de fundo, até à disputa de 10 Provas Especiais, com cronómetro ligado, que ligaram Gaia a Barcelos, passando por zonas míticas como a Franqueira e Coronado, entre outras, viveu-se uma animada festa do automobilismo. Uma prova que atraiu a atenção de muitos adeptos da Galiza, motivados pela presença de vários pilotos espanhóis, como o Campeão de Espanha de Ralis, Iván Ares, que muito espetáculo deu ao volante do Hyundai i20 R5, com que defende o título.

Mas a maior estrela do evento foi mesmo François Delecour. Nome com vasto palmarés no WRC, que fez magia ao volante de Ford Sierra Cosworth 4X4, idêntico ao que somou sucessos na alta roda dos ralis. Colocando em prática toda a sua experiência, o francês desde cedo mostrou para o que vinha. Ao ser o mais rápido em oito das 10 classificativas, acabou por dominar e vencer com à vontade a categoria “Spirit”, com a ajuda simpática navegadora Vàerie Closier.

Contudo, como se depreende das suas palavras, o triunfo não foi o mais importante: “este é um rali diferente, onde a competição é importante, mas onde a envolvência lhe dá um sabor muito mais especial. Como Rally-Legend que é, proporciona um contacto com os amantes deste desporto, numa ambiência de pura descontração que, hoje, é impossível encontrar nos ralis de Campeonato do Mundo ou do Europeu, pela imperiosa formatação que estes têm. Aqui, não há táticas e estratégias complexas e secretas para vencer, ou segredos ocultos nos carros. Só há vontade de tirar o máximo partido do carro e divertir o público com passagens espetaculares. Foi isso que procurei fazer com o Ford Sierra Cosworth 4×4, que nunca foi um carro fácil de guiar, mas que me permitiu recordar outros tempos. A vitória não foi tão fácil como pode parecer pelos números do cronómetro, pois até cheguei a fazer um pião. A verdade é que os pilotos portugueses deram lutam e fizeram com que nunca pudesse verdadeiramente descansar”.

No final, Delecour triunfou com uma vantagem de 33,7s sobre a dupla Gonçalo Figueiroa/José Janela. À dupla do Ford Escort MK2 faltou ritmo para acompanhar o piloto, mas não para assegurar o lugar intermédio do pódio, que fez com todo o brilhantismo. Notavelmente competitiva foi a luta pela terceira posição, envolvendo o ex-Campeão do Mundo de Grupo N, Rui Madeira (acompanhado por Mário Castro) e a equipa Eduardo Veiga/Justino Reis, sempre muito rápida no Ford Escort MK2. Um forcing final permitiu que fosse o ex-Campeão do Mundo de Grupo N a vencer o duelo e a assegurar o derradeiro lugar do pódio, precisamente com o mesmo Mitsubishi Lancer Evo III que, há 23 anos, conquistou tão importante título mundial para as cores nacionais.

Igualmente emocionante também foi a disputa pelo triunfo na Categoria “Históricos”, que permitiu definir o outro vencedor oficial do RallySpirit Altronix 2018. A dupla espanhola Pablo Pazó/Jose Gonzales levou um espetacular Talbot Sunbeam Lotus ao primeiro triunfo na prova portuguesa. Aliando a rapidez ao espetáculo, a equipa só pôde descomprimir após os seus compatriotas Eugenio Gonzalez/Noel Portas (Ford Escort MK2) e os portugueses Valter Gomes/Paulo Fiuza (Porsche 911 RSR) terem ficado de fora do “xadrez” da vitória. A melhor equipa nacional acabou por ser, afinal, a constituída por Pedro Couceiro/António Duarte, que levaram o Opel 1904 SR, mais uma vez, até ao segundo lugar, batendo o Mercedes 190 da formação André Pimenta/Paulo Lopes.

Destaque, também, para os concorrentes que participaram na categoria “Show”, que, sem a pressão do cronómetro, se entregaram de “alma e coração” ao espetáculo, ajudando a tornar este evento ainda mais memorável. Como não podia deixar de ser, o espetacular Ford RS 200 do inglês Nigel Mummery, resgatou para si, muito do protagonismo, tornando-se um verdadeiro fenómeno de popularidade pela raridade, mas sobretudo por pertencer à geração de ouro dos ralis mundiais. Estrelas como os Porsche 997 GT3 dos campeões portugueses Adruzilo Lopes e Vítor Pascoal também ajudaram ao espetáculo, que só poderia mesmo ficar completo com a emblemática Renault 4L mundialista, conduzida por António Pinto dos Santos.

Na hora do balanço, Pedro Ortigão da Xikane que, com o apoio do Clube Automóvel de Santo Tirso, levou a cabo o evento, afirmou: “Estamos muito contentes com a quarta edição do RallySpirit Altronix. Ter dois vencedores internacionais é sinal do crescimento da prova e do seu cada vez maior reconhecimento internacional. Mas sabemos que ainda temos um longo caminho a percorrer até termos o prestígio dos mais conceituados Rally Legends europeus. Um objetivo que, não escondemos, queremos atingir no futuro”.

Hora de pensar já na edição de 2019 deste rali, que já se tornou um marco no calendário desportivo nacional e numa verdadeira festa do desporto automóvel.

Estão abertas as hostilidades no RallySpirit Altronix !

3, 2, 1… Já teve início o RallySpirit Altronix, prova carismática no panorama do desporto automóvel português e até já internacional, capaz de proporcionar a milhares de espectadores o contacto com os mais emblemáticos carros que escreveram a história dos ralis nas últimas seis décadas!

Ontem como hoje, iniciou-se uma emocionante viagem ao passado, que começou por ter o cenário natural da marginal de Vila Nova de Gaia como epicentro da ação. O convívio entre as cerca de 100 equipas, em ambiente de pura descontração e quem nem a chuva esmoreceu, deu um colorido diferente à margem sul do Douro e serviu de “aperitivo” para muitos adeptos ou simples curiosos “degustarem” um evento que só teve o seu arranque competitivo, no dia de hoje.

 Com o programa centrado na cidade de Barcelos, os concorrentes percorreram três provas especiais (dupla passagem pelo troço da Franqueira e Super Especial Barcelos, no Campo da Feira), que serviram para aferir a primeiras definições em termos de tabela classificativa. Sempre aplaudido por uma imensa multidão, François Delecour, a estrela que outrora brilhou no Campeonato do Mundo de Ralis, assumiu o favoritismo e terminou o primeiro dia à frente na Categoria de “Spirit”, ao volante do Ford Sierra Cosworth 4×4, 5,7s à frente de Eduardo Veiga (Ford Escort MK2) e 6,2s na dianteira de Gonçalo Figueiroa (Ford Escort MK2).

Já na categoria “Históricos”, o primeiro dia provou que a luta pela vitória vai ser renhida até final e provavelmente entre pilotos espanhóis. Eugenio Gonzalez (Ford Escort MK2) superiorizou-se ao seu compatriota Pablo Pazó (Talbot Lotus), mas apenas por 3,3s, perante o olhar atento do melhor português, Pedro Couceiro (Opel 1904 SR), a 7,0s do líder.

Amanhã, cumpre-se a etapa final e também a mais extensa do RallySpirit Altronix, com a disputa de mais sete classificativas cronometradas. Passagem dupla pela especial do “Coronado” (10h03 e 14h45), da “Assunção” (10h46 e 14h45), de S. Tomé de Negrelos (11h34 e 15h51) e ainda a espetacular “Super Especial Gaia” (14h02), disputada no Quartel da Serra do Pilar, prometem momentos únicos de nostalgia e adrenalina para pilotos e público, que, recorde-se, tem acesso livre a todas as especiais. Esta grande festa do desporto automóvel, tem o seu corolário marcado para o cair da noite (17h26), novamente na marginal de Gaia, altura em que equipas e público têm marcado o último convívio com a chegada oficial do RallySpirit Altronix.

RallySpirit Altronix: Revisitar o passado, viver o presente!

  • Prova emblemática do automobilismo arranca amanhã à noite com “aperitivo” na Marginal de Gaia

Pelo quarto ano consecutivo, o RallySpirit Altronix reúne os ingredientes de sucesso para mais uma edição imperdível! Mais de 100 carros míticos (lista que incluí o lendário Ford RS200 de Grupo B) que escreveram ou ainda escrevem a história dos ralis, são o ponto de partida para uma grande festa do desporto automóvel… Às saudosas máquinas juntam-se pilotos de exceção – onde o nome do francês François Delecour, vitorioso no Campeonato do Mundo de Ralis, assume protagonismo –, num cocktail de adrenalina e nostalgia, com excecional sabor para os amantes do automobilismo e não só. Durante três dias estão garantidas emoções fortes, com o epicentro da ação entre as cidades de Vila Nova de Gaia e Barcelos. A história vai voltar a escrever-se a partir de amanhã, dia 1 de novembro…

Vila Nova de Gaia é o palco de abertura da quarta edição do RallySpirit Altronix, prova inserida no contexto dos “Rally-Legend” e idealizada, em Portugal, pela empresa Xikane, com a colaboração desportiva do Clube Automóvel de Santo Tirso.

Num programa repleto de nostalgia e de emoções fortes, em que se celebra a paixão pelos automóveis, o ambiente promete “aquecer” logo na simbólica cerimónia de partida, agendada para as 21h00 de amanhã. Em pleno feriado, juntando o útil ao agradável, e para fazer jus a esse tão carismático momento, a Marginal de Gaia, com o Douro em pano de fundo, servirá de deslumbrante cenário para fazer brilhar as mais de 100 equipas participantes e emprestar ao evento, desde logo, um colorido diferente.
Um “aperitivo” para a prova que só terá o seu desenrolar competitivo na sexta-feira e no sábado, mas que conhecerá saudáveis momentos de confraternização e de descontração entre pilotos, equipas e espectadores, ainda antes da luta contra o cronómetro.

Num verdadeiro hino ao passado, muitas das atenção do RallySpirit vão estar centradas na participação de máquinas tão gloriosas como o Alpine-Renault A110, Fiat 131 Abarth, Ford Escort RS, Porsche 911 e Renault 5 Turbo, até aos gloriosos anfitriões da década de 90, Peugeot 306 Maxi, Lancia Delta Integrale, Subaru 555, Ford Sierra e Escort Cosworth, passando pelos mais modernos, mas não menos espetaculares, Porsche 997, Skoda Fabia S2000 ou Hyundai i20 R5. Ou seja, não faltam motivos para acelerar o ritmo cardíaco dos aficionados do desporto automóvel e não só. Contudo, é justo dizê-lo, quem concentrará boa parte dos holofotes da fama será um Ford RS200. Um incontornável “Super Grupo B”, capaz de proporcionar uma autêntica “viagem no tempo”, através da lendária era de ouro dos ralis mundiais.

Ao luxuoso e exclusivo lote de carros inscritos, juntam-se também nomes grandes da história dos ralis. O piloto mundialista François Delecour, que obteve a sua primeira vitória precisamente no Rali de Portugal, há 25 anos, e que soma quatro triunfos, 19 pódios e 214 vitórias em provas especiais no Campeonato do Mundo de Ralis, a par de um título mundial na categoria “FIA RGT CUP”, será, por certo, a estrela mais cintilante na hora de distribuir simpatia e talento pelos fãs. Tanto mais que se apresentará à partida ao volante de um Ford Sierra Cosworth 4×4, igual ao que escreveu alguns dos melhores momentos da carreira.

Mas o leque de personalidades de reconhecido valor na modalidade, não se fica pelo piloto francês. A par do icónico Delecour, nomes como Rui Madeira (Campeão do Mundo de Ralis de Grupo N), Adruzilo Lopes (Tricampeão Nacional de Ralis), Vítor Pascoal (Campeão Nacional de Ralis RGT) ou Iván Ares (Campeão de Ralis de Espanha) ou de anteriores vencedores da prova, como Eduardo Veiga, Pedro Leal, Valter Gomes ou Paulo Azevedo, são a confirmação de que o rali está recheado de nomes consagrados do meio automobilístico, do mesmo modo que a presença de mais de 20 equipas estrangeiras dão já um carácter sobejamente internacional ao evento.

Em resumo, entre 1 e 3 de novembro, não faltarão emoções fortes para viver. Depois de um primeiro dia, com a partida simbólica (21h00) e do início do segundo (sexta-feira), com a “foto de família” no Quartel da Serra do Pilar (11h30), será a altura de “afinar” o espírito competitivo e começar a lutar contra o cronómetro. Para isso, as equipas deslocar-se-ão até Barcelos para cumprirem dupla passagem pela mítica classificativa da “Franqueira” (14h45 e 17h45) e terminarem o dia a animar a “Super Especial de Barcelos” (20h45), situada no Campo da Feira e, certamente, emoldurada por uma imensa massa humana. O primeiro dia competitivo finalizará com o regresso a Gaia e ao Quartel da Serra do Pilar (22h45).

Para sábado, fica reservada a derradeira oportunidade para ver de perto máquinas e pilotos a mostrarem todo o seu valor. Ao longo de mais sete classificativas disputadas ao cronómetro – duplas passagens pelas especiais do “Coronado” (10h03 e 14h45), “Assunção” (10h46 e 15h28) e “S. Tomé de Negreiros” (11h34 e 15h41), a que se junta ainda a “Super Especial Gaia” (14h02), no Quartel da Serra do Pilar –, o ambiente competitivo tornar-se-á ímpar no suspense da definição dos vencedores.

Depois de dar o mote de partida, a Marginal de Vila Nova de Gaia será também, no sábado, o palco de despedida do RallySpirit Altronix 2018 (17h26).

Mais uma edição que promete ser um retumbante sucesso, com três dias plenos de entusiasmo e emoção.

RallySpirit Altronix com uma centena de inscritos e muitos internacionais!

  • Emoções fortes, entre 1 e 3 de novembro, em Vila Nova de Gaia e Barcelos

A quarta edição do RallySpirit está prestes a ir para a estrada e com sucesso garantido, ou não estivessem inscritas 100 equipas, muitas das quais internacionais! Uma realidade que acaba por confirmar a afirmação da prova no panorama internacional dos Rally-Legends. O conceituado piloto francês François Delecour é o cabeça de cartaz, ele que inscreveu o seu nome, por quatro vezes, na restrita lista de vencedores de uma prova do Campeonato do Mundo de Ralis. Entre outros automóveis lendários, um Ford RS200 (um dos saudosos Grupo B dos anos 80) também enriquece a lista de participantes. Ou seja, o RallySpririt é uma prova ímpar no automobilismo nacional, por reunir pilotos de excelência e automóveis históricos dos ralis mundiais, em constante luta contra o cronómetro! Tudo isto para ver e viver, com muita adrenalina, de 1 e 3 de novembro, entre Vila Nova de Gaia e Barcelos…

Qual é o segredo do sucesso? Não há, já se sabe, uma fórmula mágica! Mas quando se trata do RallySpirit Altronix, o apelo à adrenalina, as emoções fortes e o colorido único proporcionado pelo vislumbre de automóveis icónicos que escreveram importantes páginas na história dos ralis mundiais, como se de um “museu vivo” se tratasse, são um carimbo no passaporte do êxito.

Nascido no contexto dos “rally-legend” que emergem por toda a Europa, o RallySpirit Altronix volta, em 2018, a afirmar-se como um evento que ultrapassa a mística de um simples rali e se transforma numa das maiores festas do automobilismo, capaz de, pela originalidade e envolvência, atrair muito mais do que os indefetíveis apaixonados pelo desporto automóvel.

Aliás, o evento que se disputará, entre 1 e 3 de novembro e que terá como base as cidades de Vila Nova de Gaia e, em estreia, Barcelos, começa já a marcar pontos no mapa europeu deste tipo de provas. Isso depreende-se pela presença de mais de 20 equipas internacionais, entre as mais de 100 que muito prometem animar todos os pontos de passagem da caravana, seja nas cerimónias de partida e de chegada, nos reagrupamentos ou nas classificativas ou super-especiais cronometradas, que, no final, ditarão o desfecho competitivo da prova.

Se, nas duas últimas edições do RallySpirit, Miki Biasion e Ari Vatanen foram os cabeças de cartaz, este ano, a estrela mais cintilante será o francês François Delecour, que pilotará um espetacular Ford Sierra Cosworth 4×4, igual ao que escreveu algumas das melhores páginas da sua carreira.

Conhecido pela forte personalidade, desconcertante garra e enorme talento, sempre que tem um volante nas mãos (como provam, de resto, as 4 vitórias, 19 pódios e 214 triunfos em provas especiais no Campeonato do Mundo de Ralis, a que junta ainda um título mundial na categoria “FIA RGT CUP”), o gaulês afirma-se muito motivado e entusiasmado neste regresso a Portugal: “É bom voltar a este país, onde sou sempre bem-recebido e onde os adeptos portugueses são sempre incansáveis no apoio que prestam. Por outro lado, voltar a guiar o Ford Sierra Cosworth 4×4 será como viajar no tempo e, certamente, um enorme prazer, que tentarei transformar em espetáculo, para gáudio dos muitos espectadores que espero assistam à prova”.

Mas a quarta edição RallySpirit Altronix está longe de viver apenas da popularidade do francês que, em 1993, venceu o Rali de Portugal. Pilotos de reconhecido valor estão aptos para integrar a “foto de família” da prova e disputarem, entre si, os melhores tempos contra o cronómetro. Nomes como Rui Madeira (Campeão do Mundo de Ralis de Grupo N), Adruzilo Lopes (Tricampeão Nacional de Ralis), Vítor Pascoal (Campeão Nacional de Ralis RGT) ou o de anteriores vencedores da prova, como Eduardo Veiga, Pedro Leal, Valter Gomes ou Paulo Azevedo, são a confirmação de que o rali está recheado de nomes consagrados do meio automobilístico.

E se a qualidade dos pilotos é uma peça fundamental no xadrez do sucesso do evento, o valor histórico das máquinas presentes só reforça o espetáculo, mas também o prestígio que o RallySpirit logrou alcançar em apenas quatro edições. A presença de um raro (só foram fabricadas 200 unidades), e digno representante da geração de ouro da história do Campeonato do Mundo de Ralis, como o Ford RS200 (que 32 anos depois voltará a disputar um rali em Portugal), é motivo mais do que suficiente para justificar a presença de milhares de espectadores portugueses, mas também espanhóis.

Ao lado deste incontornável “monstro” de Grupo B, outras glórias, como o Alpine-Renault A110, o Fiat 131 Abarth, o Renault 5 Turbo, o Porsche 911, o Ford Escort ou os mais recentes Lancia Delta Integrale e Toyota Celica GT-Four, só para referir os mais simbólicos, permitirão viajar na “máquina do tempo”. No fundo, um revisitar de memórias dos ralis do passado, mas um confronto igualmente com o presente, uma vez que o rali também conta com a participação de contemporâneos como o Porsche 997 GT3 ou o Skoda Fabia S2000, num saudável e animado “conflito de gerações”.

Sob a chancela organizativa da Xikane e comando técnico do Clube Automóvel de Santo Tirso, não faltam, portanto, motivos para que o RallySpirit continue a crescer em termos de popularidade, até porque o programa de três dias, com 10 classificativas de asfalto disputadas ao cronómetro, apresenta opções para todos os gostos.

As emoções começam no feriado de dia 1 de novembro (quinta-feira), no deslumbrante cenário do cais de Gaia, com a Cerimónia Simbólica de Partida noturna a prometer aquecer, desde logo, o ambiente e concentrar uma vasta multidão de entusiastas.

Mas é para o dia seguinte que ficam reservados as primeiras “hostilidades” competitivas, já com o cronómetro ligado, com a disputa da dupla passagem pela classificativa da “Franqueira” (4,70 km) e ainda a realização da “Super Especial Barcelos” (1,60 km), no coração da cidade (Campo da Feira), que, permitirá ficar a saber quem “cantará de Galo” no final do primeiro dia de competição.

No sábado, dia decisivo e de atribuição de vencedores, o rali regressará às origens, com a realização de mais sete seletivos troços cronometrados, com passagens repetidas pelas especiais de “Coronado” (5,37 km) e “Assunção” (4,40 km) e “S. Tomé de Negrelos” (7,30 km), intermediadas pela Super Especial de Gaia (1,20 km), que, desenhada no Quartel da Serra do Pilar, promete um fantástico espetáculo… dentro do espetáculo, e com acesso livre!

Antecipando o êxito do evento, Pedro Ortigão, responsável da organização, refere que “apesar desta ser apenas a quarta edição do RallySpirit Altronix, a verdade é que já estamos a trabalhar numa base bastante sólida. Para além do trabalho que temos desenvolvido, só o carinho que os pilotos nacionais já têm pela prova e a notoriedade que o evento tem conquistado internacionalmente justificam o crescimento, nomeadamente, no número de equipas estrangeiras presentes. Não tenho dúvidas que a edição deste ano será mais um passo em frente no RallySpirit, permitindo-nos assim estar a criar boas condições para conquistar futuramente os tão desejados Grupos B, assumindo portanto que esse é o nosso principal objectivo! Será acima de tudo uma excelente festa, só possível de montar com o apoio de todos, merecendo um agradecimento especial os Municípios de Gaia e de Barcelos, os patrocinadores e parceiros, os pilotos e muito naturalmente o público.”

Agora, a pouco mais de uma semana do arranque do RallySpirit Altronix 2018, só resta mesmo controlar os níveis de ansiedade até ao início da prova, que promete ser, ontem como hoje, memorável.

Mítico Ford RS200 regressa a Portugal no RallySpirit Altronix!

O Ford RS200 pertence ao restrito leque de automóveis lendários que participaram na “era de ouro” do Campeonato do Mundo de Ralis. E é precisamente um destes exemplares que regressará a Portugal para integrar o conjunto de míticos automóveis presentes na quarta edição do RallySpirit Altronix, justamente 32 anos depois da sua derradeira presença num rali em solo nacional.

Sendo um dos mais admirados e prezados modelos da geração dos denominados “Super Grupo B”, que atingiu o seu auge no ano de 1986, o Ford RS200 promete, desde já, ser uma das grandes sensações da prova, disputada entre 1 e 3 de novembro, entre Vila Nova de Gaia e Barcelos, que tem já a presença assegurada de mais de 100 equipas.

Ao volante da deslumbrante máquina, cuja potência rondará os 450 cavalos, estará o inglês Nigel Mummery, acompanhado pela navegadora Fiona Scarrett. Depois de ter levado o raro modelo (foram apenas construídas 200 unidades) a alguns dos mais importantes “rally-legends” europeus da atualidade, como o Rally Legends San Marino (Itália), Rally Eifel (Alemanha) e Rallye Festival Transmiera (Espanha), a dupla britânica abrilhantará agora o RallySpirit Altronix 2018, tornando-se um dos principais atrativos para os milhares de espetadores que acompanharão a prova organizada pela Xikane…

Mas não o único! A par do Ford RS200, que, recorde-se, na década de 80 e, em Portugal, também se notabilizou pelas mãos da equipa Diabolique Motorsport e do piloto Joaquim Santos, o RallySpirit Altronix reunirá um conjunto de míticos carros que fazem parte da história dos ralis, como o Alpine-Renault A110, Fiat 131 Abarth, Renault 5 Turbo, Porsche 911, Ford Escort, Lancia Delta Integrale, entre tantos outros, que, por certo, permitirão ao público (re)viver excelentes momentos de adrenalina e nostalgia.

Mais pormenores sobre o Ford RS200 e sobre a prova ficam reservados para a cerimónia de apresentação, agendada para a próxima terça-feira (dia 23 de outubro), pelas 18h30, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Gaia, e onde também será revelada a principal “figura de cartaz” do evento.

Renovado Motorshow Autoclássico Porto 2018 foi enorme sucesso!

• 40.000 pessoas coloriram festa nacional do desporto automóvel
• Ari Vatanen assumiu protagonismo, levando público ao rubro com exibição de luxo e “incansável” simpatia
• Mário Barbosa foi o grande vencedor do “Troféu Piloto Motorshow” e tornou-se recordista de triunfos na competição

Emoção, adrenalina, paixão e o “bichinho” pelos motores foram o prato forte de mais uma edição do Motorshow Autoclássico Porto. Na sua 16ª edição, o público não faltou à chamada e foi a alma de um evento em que a animação esteve presente desde o primeiro momento.

Os holofotes maiores brilharam sobre o convidado de luxo que veio da Finlândia para encantar os entusiastas que acorreram à Exponor. Ari Vatanen voltou a fazer sonhar os muitos que se recordam de o ver passar em míticas estradas como as de Sintra e Peninha, durante o Rali de Portugal, brilhando na Exponor, com exibições de luxo aos comandos de um Ford Escort MK II, em tudo igual ao que lhe deu o título de Campeão do Mundo de Ralis, em 1981.

Conhecido por ser um dos expoentes máximos da geração dos “finlandeses voadores”, o nórdico mostrou ser ainda capaz de transformar simples momentos de descontração e prazer ao volante, em momentos mágicos e verdadeiramente inesquecíveis. Aos 66 anos, o quatro vezes vencedor do Rally Dakar e, seguramente, uma das maiores lendas vivas dos ralis, mostrou que tem intactas as extraordinárias capacidades de pilotagem que sempre o notabilizaram, só ultrapassadas pelo seu caracter de generosidade e amabilidade. Se, em Portugal, difícil é encontrar quem não tenha uma foto com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, na Exponor, o outrora deputado europeu, assumiu igual estatuto de popularidade, distribuindo selfies, autógrafos, abraços, sorrisos, com uma aura que só emanam os grandes campões.

O incansável finlandês brindou todos os presentes com uma simpatia sem paralelo, que resplandeceu ao longo dos três dias, fazendo cintilar ainda mais a emoção de todos os que acorreram ao Motorshow Autoclássico Porto, tornando a edição de 2018 num momento único. No final, deixou um grande elogio à prova organizada pela Xikane: “Dá muito trabalho fazer um festival como este, mas têm de ser feitos para manter a família dos automóveis unida. É importante para o desporto, para Portugal, para fazer permanecer este desporto vivo. Foram três dias de muito ‘calor humano’ e parece que saio daqui ainda mais jovem e de alma rejuvenescida!”

Neste último dia do certame, não houve Benfica/Porto que demovesse os fervorosos adeptos do automobilismo de estarem presentes no maior evento ibérico que junta automóveis desportivos e clássicos. As bancadas que circundaram o novíssimo traçado de 1,5 km, em estreia na zona exterior da Exponor, estiveram repletas de entusiastas que não arredaram pé e que ficaram até ao último momento para aplaudir Mário Barbosa, o grande vencedor da edição deste ano do “Troféu Piloto Motorshow”.

Tirando partido dos mais de 600 cavalos de potência do Citroën DS3 WRX com que tem participado em algumas provas do Campeonato FIA Europeu de Rallycross e com uma condução precisa e ‘cirúrgica’ contra o cronómetro, o piloto de Paços de Ferreira bateu os mais de 60 adversários que animaram a competição, com carros de diversas disciplinas como os Ralis, a Velocidade, o Off Road e até o Todo-o-Terreno.

Na Super Final, que decidiu o nome do vencedor e à qual já só tiveram acesso os 16 pilotos mais rápidos do fim-de-semana, Barbosa acabou por se superiorizar ao piloto com pseudónimo “Multiclima”, num Mitsubishi Lancer. A vantagem de 1,860s sobre o piloto do Mitsubishi Lancer não espelha as dificuldades por que passou o vencedor que é agora também o recordista de triunfos no “Troféu Piloto Motorshow”, com quatro vitórias. Segundo o piloto, “a vitória foi difícil, mas muito saborosa. Na Super Final, já não tinha os pneus nas melhores condições e tive que ser muito preciso na condução, procurando não cometer erros. Esse foi, afinal, o segredo deste triunfo, para além de conseguir uma boa afinação de “set up” e de um excelente trabalho global da minha equipa DM Motorsport”.

A completar o pódio final, também merece referência o terceiro lugar de João Novo Jr., um jovem de apenas 16 anos, que mostrou todo o valor e potencial, ao volante de um Citroën idêntico ao do vencedor.

Noutras categorias, os duelos em pista foram sempre cerrados, para gáudio do público que vibrou com a atuação dos mais rápidos. Se Mário Barbosa registou o triunfo também na Categoria “4×4”, na Categoria 2WD, a vitória foi parar às mãos de Tiago Prata, no extremamente eficaz Westfield Aero. E enquanto nos “Clássicos”, o lugar mais alto do pódio foi conquistado por Joaquim Costa, em Ford Escort, na Categoria “Feminino” foi Filipa Sanguedo, com um Opel Adam R2, que colheu os louros.

Mas não foram só os motores que fizeram as pulsações acelerarem. Numa prova de emoções fortes também um inédito e inolvidável momento marcou esta 16ª edição, quando António Dias, um dos grandes animadores do “Troféu Piloto Motorshow”, finalizou a sua atuação apelando ao sentimento, com um pedido de casamento surpresa à sua futura esposa, que assistia à sua prestação da bancada!

Num certame pelo qual passaram inúmeras caras conhecidas da família das quatro rodas, como Rui Madeira (Ex-Campeão do Mundo de Grupo N) e Pedro Salvador (recém congratulado Campeão Nacional de Velocidade), ficou provado que tudo pode mesmo acontecer! A edição de 2018, foi pródiga em sensações intensas, com uma grande variedade de atuações em pista, onde também brilharam os drifts de um Camião Racing e de um Kartcross, tão impressionantes como as acrobáticas manobras do pioneiro do freestyle em Portugal, Paulo Martinho, de moto, carro ou em veículos por si improvisados. Tudo valeu para colorir o Motorshow Porto 2018, com um ambiente único e memorável.

No entanto, o Motorshow também viveu do “casamento” perfeito com o Autoclássico, mostra ibérica de veículos clássicos e feira de automobilia, traduzindo-se o sucesso desta relação no registo de cerca de 40.000 visitantes.

Para Pedro Ortigão, o responsável máximo da Xikane (promotor do evento), “o balanço só pode ser extremamente positivo, pois apesar de ter sido a 16ª edição, funcionou como um ano zero’, na sequência da total reformulação da pista, que se revelou do agrado da maioria dos pilotos. Não podíamos estar mais satisfeitos com a resposta dos muitos e bons pilotos que responderam à chamada, do público que se entusiasmou e foi incansável a apoiar as exibições, e, claro, com a aposta de trazer Ari Vatanen, que excedeu todas as expetativas, com o seu notável talento, popularidade, simpatia e grandiosidade que demonstrou como ser humano, durante os três dias do evento”.

Agora é só esperar pela edição do Motorshow Autoclássico Porto 2019. E a contagem decrescente já começou…

Classificação Absoluta:
1º Mário Barbosa (Citroën DS3 WRX), 1m17,787s
2º “Multiclima” (Mitsubishi Lancer), a 1,860s
3º João Novo Jr. (Citroën DS3 WRX) a 1,925s
4º Joaquim Santos (Ford Focus WRX), a 2,474s
5º Tiago Prata (Westfield Aero), a 4,205s
(…)

Pode ver e recordar todas as informações, notícias, curiosidades e histórias na página oficial do evento no Facebook: https://www.facebook.com/MotorshowPorto.