Ciclo “Viva Termas Centro” vai levar animação, cultura e experiências às estâncias termais da região

• Música, teatro, dança, fotografia, passeios pedestres ou de carros clássicos, showcooking e torneios desportivos são algumas das iniciativas que vão animar as estâncias termais nos próximos dois anos.
• Apresentação do ciclo de eventos acontece já no dia 7 de dezembro.

Data: 04-12-2019

A rede Termas Centro vai apresentar no dia 7 de dezembro a próxima edição do ciclo de eventos de animação “Viva Termas Centro”, iniciativa que irá levar ações e iniciativas diversificadas às estâncias termais durante os anos de 2020 e 2021.

A apresentação, com carácter informal, terá lugar durante a abertura do Mercado de Natal de Castro Daire, a partir das 19h00, momento em que será realizada uma ação de ativação do “Viva Termas Centro”. Esta ação consistirá no concerto musical “Poesia com Melodia”, em que serão musicalizados poemas de poetas portugueses contemporâneos, numa criação do projeto Vitor Blue. Antes do concerto, será exibido um teaser em formato vídeo, em que se revelará a nova imagem do ciclo “Viva Termas Centro” para 2020 e 2021.

Durante a ação, que decorrerá no Jardim Municipal de Castro Daire, as Termas do Carvalhal darão a conhecer o conceito Termas aos visitantes do Mercado de Natal, oferecendo-lhes um voucher individual de uma massagem facial, assim como informações sobre a rede Termas Centro.

Ciclo “Viva Termas Centro” conjuga descobertas com experiências

O “Viva Termas Centro” é um ciclo de animação em rede, promovido pela rede Termas Centro nas suas 18 estâncias termais, que se assume como um produto turístico complementar à oferta terapêutica. O conjunto de ações previsto pretende integrar a experiência turística dentro do produto termal, sem perder de vista a sua íntima relação com a dimensão de saúde e bem‐estar.

A iniciativa desenvolve-se a partir de três eixos, que vão levar os participantes a descobrir, nos próximos dois anos, a rede cultural que envolve as termas, a explorar o seu território e património e a desfrutar de novas experiências. O eixo Descubra ‐ Uma Rede Cultural engloba iniciativas culturais e de animação programadas para se realizarem em rede. O eixo Explore – O Nosso Território e Património assume dois propósitos: a sensibilização para o conhecimento dos recursos aquíferos e espaços termais que compõem a rede e dos recursos naturais e paisagísticos da sua envolvente. Pretende‐se que os turistas que procuram a região descubram as termas e que, em paralelo, os aquistas que vão às termas descubram a região. O eixo Desfrute – Novas Experiências foca‐se em combater o sedentarismo físico, social e mental dos aquistas e visitantes, exaltando o conceito de que as Termas estão em movimento, ativas e que representam destinos propícios a excelentes experiências.

As ações programadas para os próximos dois anos são muitas e variadas, indo ao encontro dos interesses e gostos de diferentes gerações de aquistas. No eixo “Descubra ‐ Uma Rede Cultural”, os destaques vão para “Dança com as Termas”, um circuito de Dança nas estâncias termais; “O Teatro nas Termas”, espetáculos de teatro distribuídos pelas estâncias, em colaboração com várias companhias de teatro sedeadas na região; “Termas Centro Vintage Jazz Tour”, animação de rua musical com jazz, ao jeito dos anos 20; “Poesia com Melodia”, série de espetáculos em que serão musicalizados poemas de poetas portugueses contemporâneos; e “Story Telling nas Termas”, atividade dirigida aos mais novos, com ateliês que sensibilizam os participantes para a salvaguarda da água termal.

No eixo “Explore – O Nosso Território e Património”, as apostas incidem nas ações “Atividades ao Ar Livre”, de valorização dos circuitos pedestres, com exercício físico acompanhado por um animador; “Rede de Geocaching”, caças ao tesouro que irão permitir a exploração do património natural e cultural envolvente das termas; “Concurso de Fotografia: Vida nas Termas”, ação que pretende estimular visitantes e locais a fotografarem o que mais os inspira e mais valoriza nas localidades termais; e “Termas Centro Classic Cars”, passeios de carros clássicos nos territórios das termas.

Finalmente, o eixo “Desfrute – Novas Experiências” incide nas ações “Showcooking”, dirigidas por chefs de cozinha reconhecidos; “Funny Cook”, que tem como objetivo sensibilizar as famílias para a importância de uma alimentação saudável, desafiando as crianças a preparar snacks saudáveis de forma divertida, com produtos naturais e endógenos; “Arte Para a Infância”, conjunto de workshops e experiências culturais para famílias; “Termas em Movimento”, ação que visa estimular o físico e o cognitivo entre públicos intergeracionais; “Torneios nas Termas”, torneios desportivos não federados nos territórios das Termas; e o “Banho Santo”, iniciativa que tenciona renovar uma tradição antiga em cada uma das estâncias termais, aliando‐a a um conjunto de atividades culturais e visitas aos balneários.

Sobre as Termas Centro:

A rede Termas Centro, cujo promotor líder é a Associação das Termas de Portugal – Delegação Centro – é um projeto cofinanciado pelos programas operacionais Centro 2020, Portugal 2020 e pela União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), no âmbito da Estratégia de Eficiência Coletiva PROVERE (Programa de Valorização Económica de Recursos Endógenos).

As estâncias termais que integram o projeto são Termas de Alcafache, Termas de Almeida – Fonte Santa, Termas de Águas – Penamacor, Caldas da Felgueira, Caldas da Rainha, Termas do Carvalhal, Termas da Curia, Termas do Cró, Termas da Ladeira de Envendos, Termas de Longroiva, Termas de Luso, Termas de Manteigas, Termas de Monfortinho, Termas de Monte Real, Termas de Sangemil, Termas de S. Pedro do Sul, Termas de Unhais da Serra, Termas de Vale da Mó.

Turismo Centro de Portugal apresentou documentos orientadores para o turismo da região na próxima década

• Plano Regional de Desenvolvimento Turístico 2020-2030, elaborado pela consultura Deloitte para o Turismo Centro de Portugal, aponta caminhos para o futuro da atividade turística.

Data: 03/12/2019

A Entidade Regional de Turismo do Centro de Portugal (TCP) apresentou hoje publicamente dois documentos estruturantes, que traçam o caminho a ser seguido na próxima década de atividade turística no Centro de Portugal: o Plano Regional de Desenvolvimento Turístico 2020-2030 e o seu Plano de Marketing. Os documentos foram apresentados numa sessão pública que decorreu na sede da Deloitte, em Lisboa.

A apresentação foi presidida por Rita Marques, Secretária de Estado do Turismo, e contou com uma introdução por parte de Pedro Machado, presidente da TCP.

O Plano Regional de Desenvolvimento Turístico 2020-2030 e o Plano de Marketing da TCP resultam de uma colaboração com a Deloitte, a qual incluiu uma auscultação exaustiva de vários protagonistas, não apenas na área do turismo, realizada pela consultora.

Pedro Machado referiu, no início da sessão, que “foram muitos os motivos que levaram o Turismo Centro de Portugal a desenvolver estes documentos”. “A indústria do turismo está a atravessar um conjunto de mutações, o que nos motivou a percorrer este caminho, de forma a ajustar os destinos e regiões à atividade turística. A região Centro de Portugal cresceu nos últimos anos acima da média nacional, mas poderá não ser sempre assim”, sublinhou. “É importante que os players do setor tenham um documento orientador. Estes documentos, projetados a 10 anos, são uma referência estratégica que influencia a ação dos empresários”, acrescentou.

Rita Marques, Secretária de Estado do Turismo, encerrou a sessão com elogios ao trabalho feito. “A região Centro de Portugal tem contribuído de forma muito sólida para o crescimento do turismo no país. O país não é só Lisboa. Olhando para estes documentos, que apontam para o futuro, ficamos seguros de que temos as pessoas certas para o Centro de Portugal continuar a crescer e ser uma região de exceção”, frisou a governante. “Vamos entrar numa nova era do turismo. Este plano permite-nos parar e pensar sobre o futuro, com uma visão refrescada”, disse ainda.

Um plano pensado a dez anos

Coube a Pedro Santos Rosa, Senior Manager da Deloitte, explicar os pontos fundamentais dos dois documentos.

O Plano Regional de Desenvolvimento Turístico 2020-2030 projeta as principais linhas-mestras da Turismo Centro de Portugal para a próxima década. Em concreto, sintetiza as metas turísticas concretas a atingir e os objetivos estratégicos gerais para a Região, ao mesmo tempo que avança com linhas estratégicas de ação para atingir os objetivos propostos.

Assim, foram definidas quatro metas turísticas a alcançar: aumentar o número de dormidas na Região Centro de Portugal; aumentar a estada média no território; aumentar a taxa líquida de ocupação-cama; e aumentar o rendimento por quarto disponível nas unidades da Região.

Para alcançar essas metas, o Plano tem na sua génese cinco drivers orientadores. Estes passam por “qualificar e valorizar todos os intervenientes na cadeia de valor do setor do Turismo”, “promover o desenvolvimento integrado, sustentado e coeso do território”, “estruturar, qualificar, consolidar e diversificar transversalmente a qualidade da oferta”, “contribuir para o desenvolvimento da notoriedade da Região Centro e solidificação da marca Centro no mercado” e “potenciar o investimento turístico na Região Centro e incentivar a inovação e empreendedorismo”.

À luz do novo panorama turístico da Região Centro de Portugal, também os seus pilares estratégicos foram adaptados, passando a totalizar cinco pilares que sumarizam a oferta turística da região: Cultura, História, Património e Gastronomia e Vinhos; Natureza, Wellness, Turismo Ativo e Desportivo e Mar; Lifestyle, Inspirational e novas tendências; Turismo Espiritual e Religioso; e Turismo Corporate e Empresarial.

O Plano Regional sublinha que, tomando partido da sua diversidade, a Região Centro de Portugal deverá alavancar a sua oferta turística, posicionando-se como um destino coeso, caracterizado pela oferta de experiências turísticas integradas transversais e pela continuidade ao longo do território. A promoção do território deve evidenciar as características únicas e diferenciadoras da Região.

O Plano de Marketing do TCP, igualmente apresentado por Pedro Santos Rosa, é um documento que sintetiza a estratégia da Região, orientada para o produto, mercados, segmentos e marca, partindo das linhas estratégicas de ação e dos pilares estratégicos definidos pelo Plano Regional de Desenvolvimento Turístico 2020-2030.

“A elaboração do Plano Regional de Desenvolvimento Turístico 2020-2030 constituiu um enorme desafio, na medida em que é bastante ambicioso em termos de horizonte temporal, a 10 anos, até 2030, principalmente se tivermos em consideração a volatilidade da indústria do turismo”, considerou Pedro Santos Rosa.

Sobre o Turismo Centro de Portugal:

O Turismo Centro de Portugal é a entidade que estrutura e promove o turismo na Região Centro do país. Esta é a maior e mais diversificada área turística nacional, abrangendo 100 municípios, e tem registado um intenso crescimento da procura interna e externa. É a região a escolher para quem pretende experiências diversificadas, pois concilia locais Património da Humanidade com a melhor costa de surf da Europa, termas e spas idílicos, locais de culto de importância mundial e as mais belas aldeias.

Centro de Portugal participa na maior feira de artesanato do Mundo

Data: 29/11/2019

O Turismo Centro de Portugal vai estar presente a partir de amanhã na 24.ª edição da L´Artigiano in Fiera, a maior feira de artesanato do mundo, que todos os anos se realiza na cidade italiana de Milão.

A presença do Turismo Centro de Portugal, que acontece numa parceria com a Associação de Artesãos da Serra da Estrela, consiste num stand de 24m2, que dispõe de áreas reservadas à gastronomia regional e à animação musical. Estarão, ainda, representados 20 expositores das mais diferentes atividades artesanais.

Estima-se que entre 30 de novembro e 8 de dezembro, período de duração da feira, a L´Artigiano in Fiera supere os 1,2 milhões de visitantes da edição de 2018. Durante os nove dias do evento, cerca de 3.000 artesãos de cerca de 100 países mostram produtos típicos ao lado de criações originais, estando unidos pela excelência na fabricação.

Sobre o Turismo Centro de Portugal:

O Turismo Centro de Portugal é a entidade que estrutura e promove o turismo na Região Centro do país. Esta é a maior e mais diversificada área turística nacional, abrangendo 100 municípios, e tem registado um intenso crescimento da procura interna e externa. É a região a escolher para quem pretende experiências diversificadas, pois concilia locais Património da Humanidade com a melhor costa de surf da Europa, termas e spas idílicos, locais de culto de importância mundial e as mais belas aldeias.

Aldeia Histórica de Almeida recria Bodas Reais em dois dias de grande festa

As comemorações do casamento real entre D. Maria I e D. Pedro de Bragança, que decorreram na vila e Aldeia Histórica de Almeida, vão dar o mote para a festa do Ciclo “12 em Rede – Aldeias em Festa”, que acontece nos próximos dias 29 e 30 de novembro. Dois dias que prometem tornar-se inesquecíveis – onde até haverá tempo para subidas de balão de ar quente.

Data: 22/11/19

“D. Maria, a Princesa, Vai Casar” é o tema do décimo primeiro e penúltimo evento do Ciclo “12 em Rede – Aldeias em Festa”, promovido pela Rede das Aldeias Históricas de Portugal, que chega à vila e Aldeia Histórica de Almeida nos dias 29 e 30 de novembro.

Uma festa que promete grandes emoções, graças a um programa que inclui bailes de época, workshops de construção de fantoches, gastronomia, música, visitas guiadas temáticas, e até subidas de balão de ar quente – para contemplar, em todo o seu esplendor, o magnífico desenho poligonal das fortificações da Aldeia Histórica de Almeida.

A Aldeia Histórica de Almeida recria, assim, as Bodas Reais de D. Maria I e D. Pedro de Bragança, quando a sua função militar e utilitária passou para segundo plano, transformando-se num palco de demonstração do espetacular jogo barroco, dramático, sonoro, efémero e luminoso. Uma festa que conhecemos apenas pelas páginas dos livros de História, e que ganha vida em dois dias de grande festa e animação.

Com um extenso e diversificado programa para todas as idades, com entrada gratuita, a Aldeia Histórica de Almeida convida habitantes e participantes a participar nos vários momentos da festa “D. Maria, a Princesa, Vai Casar”. Uma forma muito divertida de descobrir esta Aldeia Histórica e as suas origens, assim como os seus costumes e tradições.

Em suma, dois dias imperdíveis na Aldeia Histórica de Almeida, para que todos regressem a casa de coração cheio de momentos inesquecíveis!

Todas as atividades são gratuitas, mas algumas são de inscrição limitada e são sujeitas a marcação prévia, através do telefone 271 571 229, ou do telemóvel 939 612 622, ou ainda do e-mail museu.militar@cm-almeida.pt.

Este evento é promovido pela Associação de Desenvolvimento Turístico Aldeias Históricas de Portugal, numa organização do Município de Almeida. Uma iniciativa apoiada pelo Centro 2020, Portugal 2020 e União Europeia através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

A festa só acaba em dezembro!

O ciclo “12 em rede | Aldeias em Festa 2019” só termina em dezembro! Depois de Almeida, a festa segue para Belmonte, de 27 a 30 de dezembro.

Sobre a Rede das Aldeias Históricas de Portugal:

Perdidas entre montes e vales da verdejante paisagem do interior de Portugal, repletas de lendas e castelos, sabores e tradições, há 12 singelas aldeias onde apetece perdermo-nos, para nunca mais nos encontrarmos. Almeida, Belmonte, Castelo Mendo, Castelo Novo, Castelo Rodrigo, Idanha-a-Velha, Linhares da Beira, Marialva, Monsanto, Piódão, Sortelha e Trancoso: as Aldeias Históricas de Portugal, um destino que são 12, são paraísos escondidos que nos levam numa viagem ao tempo de reis e rainhas, épicas e infinitas batalhas que escreveram a História como a conhecemos hoje. Viajar até às Aldeias Históricas de Portugal é, assim, descobrir a História de um país de temerários conquistadores, através das pedras das suas calçadas e das suas frondosas muralhas e castelos, orgulhosa e imponentemente erguidos. É, ainda, a garantia de momentos inesquecíveis de lazer, aventura e descoberta, temperados com os inigualáveis aromas e sabores da região, que compõem a sua típica gastronomia. No território das Aldeias Históricas de Portugal há um sem fim de trilhos para caminhadas e percursos de bicicleta e BTT – como a Grande Rota 22 (GR), a maior rota de Walking & Cycling em Portugal, com cerca de 600 km.

As Aldeias Históricas de Portugal são o primeiro destino em rede – à escala mundial –, e o primeiro destino nacional a receber a certificação BIOSPHERE DESTINATION.

Turismo Centro de Portugal apresentou visão para o turismo da região na próxima década

• Entidade de turismo reuniu-se em Assembleia Geral, onde foram apresentados planos estratégicos para 2020-30.

Data: 21/11/2019

A Entidade Regional de Turismo do Centro de Portugal (TCP) reuniu-se hoje em Assembleia Geral (AG) ordinária, na qual apresentou aos associados a sua visão para os próximos dez anos do turismo na região Centro de Portugal.

Esta visão para o futuro está plasmada em dos documentos estruturantes, o Plano Regional de Desenvolvimento Turístico 2020-2030 e o Plano de Marketing, assim como num novo modelo de governança da própria entidade regional.

A Assembleia Geral, cujos trabalhos foram dirigidos por Humberto Oliveira, presidente da Câmara Municipal de Penacova, e secretariados por Carina Gomes, vereadora da Câmara Municipal de Coimbra, teve lugar no auditório da CCDRC – Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, em Coimbra, e contou com a presença de António Veiga Simão, presidente da CCDRC, e de dezenas de associados da TCP, nomeadamente autarquias e associações diversas, que aprovaram todos os pontos da ordem de trabalhos, por unanimidade.

Numa breve introdução, Pedro Machado, presidente da TCP, explicou que a apresentação do Plano Regional de Desenvolvimento Turístico 2020-2030 iria mostrar à AG “a visão da TCP para o turismo a 10 anos”. “Os documentos resultam de uma auscultação exaustiva de vários players, da área do turismo e não só, como Comunidades Intermunicipais, PROVEREs, associações, universidades ou politécnicos”, disse. “Vivemos um momento de transição. Entre 2014 e 2018 o Centro de Portugal registou um crescimento notável e os indicadores de 2019 são muito positivos. É uma realidade que nos permite lançar este desafio e introduzir elementos de consolidação”, acrescentou.

A apresentação do Plano Regional de Desenvolvimento Turístico 2020-2030 esteve a cargo de Pedro Rosa, da consultora Deloitte, autora deste trabalho. Simultaneamente, foram feitas referências ao Plano de Marketing e ao novo modelo de governança da TCP, que completam o triângulo em que assenta a estratégia da TCP para a próxima década.

Os planos estratégicos agora apresentados aos associados da TCP irão ser divulgados publicamente no próximo dia 3 de dezembro, numa conferência de imprensa que terá lugar na sede da Deloitte, em Lisboa.

A AG seguiu depois a sua ordem de trabalhos, que incluiu a aprovação de alterações estatutárias e do plano de atividades de 2020, assim como do orçamento, mapa de encargos plurianuais e mapa de pessoal do próximo ano. Um pedido de adesão à TCP por parte da ADIRAM – Associação de Desenvolvimento Integrado da Rede de Aldeias de Montanha foi outro dos assuntos aprovados

A Assembleia Geral terminou com um voto de louvor à direção da Turismo Centro de Portugal, na pessoa do seu presidente Pedro Machado, pelo trabalho em defesa da região, solicitado por Lino Ferreira, presidente da ACILIS – Associação de Comércio, Indústria, Serviços e Turismo da Região de Leiria.

Sobre o Turismo Centro de Portugal:

O Turismo Centro de Portugal é a entidade que estrutura e promove o turismo na Região Centro do país. Esta é a maior e mais diversificada área turística nacional, abrangendo 100 municípios, e tem registado um intenso crescimento da procura interna e externa. É a região a escolher para quem pretende experiências diversificadas, pois concilia locais Património da Humanidade com a melhor costa de surf da Europa, termas e spas idílicos, locais de culto de importância mundial e as mais belas aldeias.

Turismo do Centro congratula-se com Estrela Michelin para restaurante Mesa de Lemos

Turismo do Centro congratula-se com Estrela Michelin para restaurante Mesa de Lemos

• Restaurante de Viseu é o primeiro do Centro de Portugal a integrar o restrito Guia Michelin.

Data: 20/11/19

O Turismo Centro de Portugal congratula-se com a distinção atribuída ao restaurante Mesa de Lemos, na Quinta de Lemos, Silgueiros, Viseu, que recebeu hoje a sua primeira Estrela Michelin. Esta é a quarta vez que um restaurante da região Centro de Portugal integra a lista exclusiva do Guia Michelin, incluindo-se assim entre os melhores do mundo.

A apresentação do Guia Michelin Espanha & Portugal 2020, com os restaurantes distinguidos na Península Ibérica, ocorreu esta quarta-feira, em Sevilha.

O Mesa de Lemos, cuja cozinha é dirigida pelo chef Diogo Rocha, é uma das novidades da restrita seleção da equipa de inspetores Michelin. Na edição deste ano, apenas 27 restaurantes portugueses mereceram este privilégio: 10 na Região de Lisboa, 7 no Porto e Norte, 7 no Algarve, 2 na Madeira e 1 no Centro de Portugal.

“Foi com grande satisfação, e também com sentimento de justiça, que recebemos a informação de que o Mesa de Lemos foi agraciado com uma estrela Michelin. O chef Diogo Rocha há muito que merecia ombrear entre os melhores. A estrela agora conquistada, apesar de tardia, representa a consolidação de um trabalho incansável de defesa da gastronomia do Centro de Portugal”, sublinha Pedro Machado, presidente do Turismo Centro de Portugal.

“A gastronomia é uma das apostas em que o Centro de Portugal tem vindo a superar-se. Espero que esta conquista do Mesa de Lemos, que demonstra a mais-valia de se tratar com requinte os produtos regionais, aliando a tradição à modernidade, constitua um exemplo a seguir por outros restaurantes do Centro de Portugal. Os meus sinceros parabéns ao Diogo Rocha e à Mesa de Lemos”, acrescenta.

Sobre o Turismo Centro de Portugal:

O Turismo Centro de Portugal é a entidade que estrutura e promove o turismo na Região Centro do país. Esta é a maior e mais diversificada área turística nacional, abrangendo 100 municípios, e tem registado um intenso crescimento da procura interna e externa. É a região a escolher para quem pretende experiências diversificadas, pois concilia locais Património da Humanidade com a melhor costa de surf da Europa, termas e spas idílicos, locais de culto de importância mundial e as mais belas aldeias.

Aldeias Históricas de Portugal promovem “um destino que são 12” na INTUR

De 21 a 24 de novembro, as Aldeias Históricas de Portugal vão marcar presença na maior Feira Internacional de Turismo de Interior na Península Ibérica, a INTUR, que decorre em Valladolid. É a primeira participação oficial, depois de a Grande Rota das Aldeias Históricas de Portugal (GR22) se ter tornado a maior rota europeia com selo Leading Quality Trails, atribuído pela European Ramblers Association (Associação Europeia de Caminhada).

Data: 19/11/19

Turismo Ibérico de Interior é o tema em destaque na 23.ª edição da INTUR, a Feira Internacional de Turismo de Interior, que acontece de 21 a 24 de novembro em Valladolid, Espanha. Localizadas no interior da região Centro de Portugal, a apenas 100 km de Salamanca e 300 km de Madrid, as Aldeias Históricas de Portugal foram destacadas como produto turístico capaz de alavancar o turismo ibérico, durante o VI Congresso Europeu de Turismo Rural, que aconteceu em maio deste ano, no território daquelas 12 aldeias. Assim, não podiam deixar de estar presentes na INTUR.

A participação das Aldeias Históricas de Portugal na Feira Internacional de Turismo de Interior está ainda em linha com o objetivo estratégico de internacionalização do destino, especialmente no mercado de proximidade – como é o caso de Espanha -, no qual já se sente uma franca familiarização com este destino. As Aldeias Históricas de Portugal promovem “um destino que são 12” com um stand próprio com cerca de 18m2, naquela que será a primeira participação oficial, depois de a Grande Rota das Aldeias Históricas de Portugal (GR22) se ter tornado a maior rota europeia com selo Leading Quality Trails, atribuído pela European Ramblers Association (Associação Europeia de Caminhada).

Além da área de exposição, a INTUR inclui ainda uma área de negócios, destinada a profissionais da área do turismo, operadores turísticos e agências de viagens internacionais, onde as Aldeias Históricas de Portugal também irão marcar presença, com reuniões para apresentação do destino e dos produtos turísticos dos seus associados. A INTUR Negócios decorre nos dias 21 e 22 de novembro, das 9h30 às 14h30.

A Associação de Desenvolvimento Turístico Aldeias Históricas de Portugal conta com o apoio do Centro 2020, Portugal 2020 e Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, através do Programa de Valorização Económica de Recursos Endógenos (PROVERE).

Sobre a Rede das Aldeias Históricas de Portugal:

Perdidas entre montes e vales da verdejante paisagem do interior de Portugal, repletas de lendas e castelos, sabores e tradições, há 12 singelas aldeias onde apetece perdermo-nos, para nunca mais nos encontrarmos. Almeida, Belmonte, Castelo Mendo, Castelo Novo, Castelo Rodrigo, Idanha-a-Velha, Linhares da Beira, Marialva, Monsanto, Piódão, Sortelha e Trancoso: as Aldeias Históricas de Portugal, um destino que são 12, são paraísos escondidos que nos levam numa viagem ao tempo de reis e rainhas, épicas e infinitas batalhas que escreveram a História como a conhecemos hoje. Viajar até às Aldeias Históricas de Portugal é, assim, descobrir a História de um país de temerários conquistadores, através das pedras das suas calçadas e das suas frondosas muralhas e castelos, orgulhosa e imponentemente erguidos. É, ainda, a garantia de momentos inesquecíveis de lazer, aventura e descoberta, temperados com os inigualáveis aromas e sabores da região, que compõem a sua típica gastronomia. No território das Aldeias Históricas de Portugal há um sem fim de trilhos para caminhadas e percursos de bicicleta e BTT – como a Grande Rota 22 (GR), a maior rota de Walking & Cycling em Portugal, com cerca de 600 km. As Aldeias Históricas de Portugal são o primeiro destino em rede – à escala mundial –, e o primeiro destino nacional a receber a certificação BIOSPHERE DESTINATION.

Aveiro vai receber em 2020 o maior congresso de turismo do país

• APAVT – Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo escolheu a cidade do Centro de Portugal para realizar o seu 46.º Congresso.

Data: 15/11/2019

A cidade de Aveiro, no Centro de Portugal, vai receber em 2020 o 46.º Congresso da APAVT – Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo. A novidade foi anunciada esta noite, durante o 45.º Congresso, que decorre até amanhã no Funchal.

O Congresso da APAVT é o mais importante encontro do setor turístico que se realiza em Portugal. Este ano, mais de 700 congressistas estão presentes na Madeira, para um evento que tem como tema “Turismo: Opções Estratégicas”.

De notar que esta será a quarta vez, em dez anos, que o Centro de Portugal acolhe o Congresso da APAVT, depois de tal ter já acontecido em 2011 (Viseu), 2012 (Coimbra) e 2016 (Aveiro). Antes, esta região já tinha sido palco dos congressos de 1981 (Figueira da Foz), 1984 (Fátima) e 1986 (Aveiro). 2020 será assim a terceira vez em que a associação escolhe Aveiro como palco do encontro.

O anúncio da escolha do destino foi feito por Pedro Costa Ferreira, presidente da APAVT. “A APAVT faz 70 anos em 2020. Vamos celebrar esta data no Congresso de Aveiro. Foi com muito carinho que escolhemos Aveiro e o Centro de Portugal, por ser um destino onde sei que os agentes de viagens são reconhecidos, apoiados e sempre muito bem acolhidos em todas as suas iniciativas”, sublinhou.

Pedro Machado, presidente do Turismo Centro de Portugal, e José Ribau Esteves, presidente da Câmara Municipal de Aveiro e vogal da Comissão Executiva do Turismo Centro de Portugal, agradeceram a escolha.

“Convidamos todos os congressistas aqui presentes a estarem também presentes em Aveiro, para debatermos os desafios do turismo. Portugal é um destino que se afirma cada vez mais internacionalmente e o maior desafio que temos é a consolidação deste crescimento. Para ajudar à consolidação, faz todo o sentido que as organizações façam esta descentralização”, disse Pedro Machado. “A APAVT sabe do carinho que temos pelas agências de viagem, que são um pilar fundamental para a nossa coesão territorial. Seguramente, em Aveiro vai ser o maior e melhor congresso de sempre da APAVT. Será para nós um privilégio receber-vos no Centro de Portugal”, acrescentou.

“É um gosto enorme podermos receber o congresso de 2020 da APAVT em Aveiro. A presença deste mesmo congresso, em 2016, foi muito importante: Aveiro vivia um momento dramático e o congresso representou uma nota de esperança para os investidores. Em 2019, já colhemos muitos frutos da vossa presença de há quatro anos, tanto em Aveiro como no Centro de Portugal”, declarou, por sua vez, José Ribau Esteves. “Agora, queremos mais e melhor: queremos prosseguir este caminho do crescimento verdadeiro. Venham todos a Aveiro, ao Centro de Portugal, porque é no centro que está a virtude”, disse ainda.

Considerado pela comunicação social e pelo setor como o principal fórum de debate turístico nacional, os congressos da APAVT realizam-se anualmente e congregam habitualmente centenas de profissionais da atividade turística. O principal objetivo dos congressos é dar aos seus participantes a oportunidade de se encontrarem e discutirem assuntos de elevado interesse para o Turismo português, convidando a APAVT especialistas na matéria que possam contribuir para partilhar experiências e desenvolver novas estratégias para a atividade. Este objetivo é complementado com uma mostra de turismo, promovido conjuntamente com a organização local, onde diversas entidades locais e portuguesas expõem e promovem os seus produtos, gerando negócio e parcerias.

Sobre o Turismo Centro de Portugal:

O Turismo Centro de Portugal é a entidade que estrutura e promove o turismo na Região Centro do país. Esta é a maior e mais diversificada área turística nacional, abrangendo 100 municípios, e tem registado um intenso crescimento da procura interna e externa. É a região a escolher para quem pretende experiências diversificadas, pois concilia locais Património da Humanidade com a melhor costa de surf da Europa, termas e spas idílicos, locais de culto de importância mundial e as mais belas aldeias.

Mês de setembro voltou a ser positivo para a atividade turística no Centro de Portugal

• Resultados do INE referentes aos primeiros nove meses do ano mostram crescimento significativo nos principais indicadores.

Data: 15/11/2019

O mês de setembro voltou a ser positivo para a atividade turística no Centro de Portugal. Os resultados preliminares, publicados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), mostram uma subida generalizada da região nos primeiros nove meses do ano, face ao mesmo período de 2018.

Analisando os dados acumulados do INE no período entre janeiro e setembro de 2019, o Centro de Portugal apresenta uma subida de 4,4% no total de dormidas nos alojamentos turísticos, em comparação com janeiro-setembro de 2018. Esta subida supera o crescimento médio nacional, que foi de 3,9%. De realçar que, nestes nove meses, as dormidas de residentes nacionais aumentaram 5,9%, enquanto as dormidas de não residentes cresceram 2,7%.

Os bons resultados nas dormidas têm, naturalmente, reflexo positivo nas receitas. Se analisarmos os meses de janeiro a julho, há um crescimento de 6,5% nos proveitos totais da atividade turística no Centro de Portugal, que totalizaram até ao momento 278,5 milhões de euros.

Mês de setembro com subidas em todos os indicadores

Analisando apenas o mês de setembro, em comparação com setembro de 2018, verifica-se que houve um aumento de 2,1% no total de dormidas nos alojamentos turísticos. Em valores absolutos, registaram-se 779 mil dormidas em setembro no Centro de Portugal, mais 16 mil do que no mesmo mês do ano anterior.

No período em análise, as dormidas de não residentes no Centro de Portugal subiram 2,2%, para 383,4 mil. Já as dormidas de cidadãos nacionais no Centro totalizaram 396 mil – uma subida de 2,1%.

Relativamente às receitas, entre setembro de 2018 e setembro de 2019, há a registar um forte crescimento de 4,9% nos proveitos totais, que se cifraram nos 39,8 milhões de euros.

No indicador do número de hóspedes no Centro de Portugal, estes totalizaram 447.489 em setembro. Uma variação de 1,9% relativamente a setembro do ano passado.

Este crescimento, notório em todos os indicadores, deixa antever que o ano de 2019 vai ser o melhor de sempre para a atividade turística no Centro de Portugal, nos principais indicadores analisados pelo INE.

Sobre o Turismo Centro de Portugal:

O Turismo Centro de Portugal é a entidade que estrutura e promove o turismo na Região Centro do país. Esta é a maior e mais diversificada área turística nacional, abrangendo 100 municípios, e tem registado um intenso crescimento da procura interna e externa. É a região a escolher para quem pretende experiências diversificadas, pois concilia locais Património da Humanidade com a melhor costa de surf da Europa, termas e spas idílicos, locais de culto de importância mundial e as mais belas aldeias.

Ovar e Estarreja são as mais recentes estações náuticas certificadas no Centro de Portugal

• Centro de Portugal passa a dispor de oito estações náuticas certificadas, que asseguram as melhores condições aos visitantes.

Data: 13/11/2019

Ovar e Estarreja são as mais recentes Estações Náuticas certificadas no Centro de Portugal. As certificações foram recebidas durante o 1.º Encontro da Rede das Estações Náuticas de Portugal, que foi presidido pela Secretária de Estado do Turismo, Rita Marques. O Turismo Centro de Portugal esteve representado por Sílvia Ribau, Chefe de Núcleo de Marketing e Promoção Turística

As estações náuticas de Ovar e Estarreja juntam-se a outras seis que já estavam certificadas no Centro de Portugal: Aveiro, Castelo de Bode, Ílhavo, Murtosa, Oeste (esta em vários núcleos) e Vagos. A região passa assim a dispor de oito estações náuticas certificadas de forma oficial, integrando uma rede nacional e internacional de oferta turística náutica de qualidade.

O 1.º Encontro da Rede das Estações Náuticas de Portugal inseriu-se no Business2Sea/Fórum do Mar, evento que decorreu no Centro de Congressos da Alfândega do Porto. Estiveram presentes as 21 estações náuticas já certificadas em Portugal, além de outras sete que estão em processo de certificação – e que incluem candidaturas de Guarda e Sabugal – e de representantes de diversos territórios que estão a iniciar o processo de criação de estações náuticas.

As estações náuticas são organizadas com base na valorização dos recursos náuticos presentes em cada território, os quais incluem a oferta de alojamento, restauração, atividades náuticas e outras atividades e serviços relevantes para a atração de visitantes. Ao estarem certificadas, asseguram aos visitantes a qualidade do produto turístico e dos serviços prestados, bem como apoio informativo e a reserva de alojamento e serviços.

Apesar de serem maioritariamente destinos de costa, também nos territórios do interior existem condições ideais para a certificação de Estações Náuticas, como é o caso da albufeira de Castelo do Bode.

O Turismo Centro de Portugal é uma das entidades que integram o Grupo Dinamizador do Portugal Náutico, constituído no seguimento dos resultados do projeto Portugal Náutico, desenvolvido pela Associação Empresarial de Portugal (AEP) e pela Fórum Oceano. A Fórum Oceano é, por sua vez, membro da Fedeton – Federação Europeia de Destinos Turísticos Náuticos, entidade gestora da rede internacional das estações náuticas.

Sobre o Turismo Centro de Portugal:

O Turismo Centro de Portugal é a entidade que estrutura e promove o turismo na Região Centro do país. Esta é a maior e mais diversificada área turística nacional, abrangendo 100 municípios, e tem registado um intenso crescimento da procura interna e externa. É a região a escolher para quem pretende experiências diversificadas, pois concilia locais Património da Humanidade com a melhor costa de surf da Europa, termas e spas idílicos, locais de culto de importância mundial e as mais belas aldeias.