Dory Reserva. A elegância e frescura do fantástico terroir atlântico

  • AdegaMãe apresenta as mais recentes edições da sua marca emblemática; chegaram os novos Dory Reserva, vinhos que exprimem as particularidades de um terroir único, dividido pela barreira de relevo a sul da Serra de Montejunto: do lado continental o Reserva Tinto; do lado marítimo chega o Reserva Branco.

Torres Vedras, 13 de Novembro de 2018

A atividade épica que os portugueses enfrentaram ao longo de décadas, no Atlântico Norte, embarcados em pequenos dóris na pesca do bacalhau, inspirou aquela que é a principal marca da AdegaMãe: Dory. É essa a referência emblemática dos vinhos da casa, naturalmente vocacionada para exprimir um terroir que se diferencia por ser precisamente atlântico, de influência climática marcadamente marítima, e que acaba por resultar em vinhos que, de uma forma muito original, se destacam pela elegância e frescura. Os expoentes máximos desta marca e deste terroir, os Dory Reserva Tinto e Dory Reserva Branco, acabam agora de ser apresentados, com as colheitas de 2015 e 2017 já disponíveis no mercado.

Inserida na Região de Vinhos de Lisboa, a AdegaMãe tem as vinhas fortemente influenciadas pelo clima Mediterrânico de Influência Atlântica. Em Torres Vedras, entre o mar e a cadeia montanhosa que se prolonga do sistema Montejunto-Estrela, as temperaturas mais moderadas, os verões amenos e as brisas oceânicas, favorecem a maturação das castas brancas, de que resultam vinhos frescos e minerais. É aqui, a cerca de 10 Km do mar, em plena vinha AdegaMãe, na Quinta da Archeira, que evoluem as uvas que dão origem ao Dory Reserva Branco.

Para lá da barreira de relevo a sul da Serra de Montejunto, o clima marítimo é barrado e dá lugar a uma forte influência continental, que permite amplitudes térmicas maiores, noites frescas e verões consideravelmente mais quentes. Aí, na Região de Alenquer, as temperaturas máximas do último mês de agosto (mês decisivo na etapa final de maturação) foram, em média, 4 graus mais elevadas do que, por exemplo, na Quinta da Archeira. Estamos, portanto, perante as condições ideais para a maturação de castas tintas, que originam vinhos elegantes e equilibrados. E é precisamente aí onde estão localizadas as Quintas da Laje e Quinta dos Ferrões, de onde surgem as uvas que dão origem ao Dory Reserva Tinto.

Após o arranque da atividade da AdegaMãe, em 2010, o estudo desenvolvido em torno das influências climáticas, das características dos solos (maioritariamente argilo-calcários), da orografia dos terrenos, e da adaptabilidade e desempenho qualitativo das castas às diferentes condições, permitiu à equipa de enologia implementar a restruturação das vinhas com potencial reconhecido, bem como identificar as melhores parcelas e uvas que sustentam os vinhos mais nobres, como é caso particular dos Dory Reserva agora apresentados, originários das vinhas mais antigas em produção na AdegaMãe.

“A nossa aprendizagem, numa sucessão de vindimas sempre distintas, leva-nos a concluir que estamos numa região com potencial para fazer vinhos brancos ao nível do que de melhor se faz em Portugal. À medida que vamos apresentado os nossos brancos, as pessoas rendem-se à originalidade e ao carácter da sua expressão atlântica. Por outro lado, os tintos vão ao encontro das novas tendências de mercado, que valorizam vinhos frescos, fruta elegante e taninos finos. Com os novos Dory Reserva estamos, mais uma vez, perante vinhos que são o resultado de um terroir único, que se revela tão desafiante como recompensador”, afirma o enólogo da AdegaMãe, Diogo Lopes.

Eis os novos Dory Reserva em detalhe:

Dory Reserva Tinto 2015

Castas: Touriga Nacional, Merlot, Cabernet Sauvignon e Petit Verdot (da Quinta da Laje e Quinta dos Ferrões, em Alenquer).

Estágio: 14 meses em barricas de 225L de carvalho francês.

Nota de prova: Cor ruby. Notas violetas, pimentão e especiaria. Fruta bem madura e integrada. Boa presença na boca com as notas de fruta a reaparecerem. Termina com elegância.

Preço indicado: 12€

Comentário (enólogo Diogo Lopes): “O Dory Reserva Tinto nasce da melhor vindima de tintos da história da AdegaMãe. O vinho resultou num grande equilíbrio entre a fruta, os taninos e a acidez. Tudo com grande concentração. Acaba por mostrar o potencial da região também para fazer grandes tintos. Aliás, a sua qualidade foi reconhecida, ao ganhar o prémio Escolha da Imprensa em 2018”.

Dory Reserva Branco 2017

Castas: Viosinho, Alvarinho e Chardonnay (da Quinta da Archeira, Ventosa, Torres Vedras).

Estágio: 9 meses de batonnage em barricas de 400L de carvalho francês.

Nota de prova: Perfil borgonhês. Mineralidade, fruta escondida. Muito intenso na boca, madeira muito integrada. Final fresco e intenso.

Preço indicado: 12€

Comentário (enólogo Diogo Lopes): “Acreditamos tratar-se de mais uma confirmação da AdegaMãe entre os grandes brancos da região de Lisboa. É um vinho fresco, vibrante e complexo, na linha do que os grandes brancos devem ser; é o resultado da grande qualidade do terroir atlântico, de uma maturidade cada vez maior das vinhas e da experiência por nós adquirida”.

Sobre a AdegaMãe

A AdegaMãe nasce do investimento do Grupo Riberalves numa nova área de negócio e surge como uma homenagem da família Alves à sua matriarca, Manuela Alves. O conceito de “Mãe” é também a inspiração para um espaço de nascimento, de criação, no qual se pretende potenciar as melhores uvas e fazer nascer os melhores vinhos. Localizada no Concelho de Torres e vocacionada para a produção de vinhos com características muito próprias, graças à proximidade do mar e influência do Clima Atlântico, a AdegaMãe é, igualmente, uma referência para o enoturismo da Região de Lisboa, destacando-se pela arquitetura exclusiva e por todas as atividades desenvolvidas em torno da vinha e do vinho. Sendo uma empresa do Grupo Riberalves, a marca Dory (inspirada nos Dóris, embarcações antigamente utilizadas pelos portugueses na pesca do bacalhau) representa a principal gama de vinhos comercializados. Depois da primeira vindima, realizada em 2010, a AdegaMãe tem vindo a colher reconhecimento no mercado nacional, e internacional, para onde canaliza 60% da sua produção. Nomeada Empresa do Ano no sector do vinho, em 2015, a AdegaMãe aponta, após a vindima de 2018, a uma produção de 1 milhão e 300 mil de garrafas.

Nova campanha AdegaMãe – Atlantic Wines. Há outras formas de provar o Atlântico!

  • AdegaMãe lança novo filme – produção Bro – que evoca o carácter único dos vinhos da Região de Lisboa.

 

Torres Vedras, 6 de Abril de 2017

 

As vinhas estão a apenas 7 quilómetros do mar. O clima é atlântico, fresco, sem as amplitudes térmicas típicas do interior. As nortadas predominantes chegam salinas, carregadas de iodo, e até as brisas de Verão trazem aquele cheiro a mar, tão característico das arribas a Norte de Lisboa. Depois, as videiras, essas plantas fantásticas que absorvem tudo o que o ambiente lhes dá, encarregam-se de levar esta influência marítima às uvas. Está explicado o fator que torna o Oeste verdadeiramente único, proporcionando vinhos frescos, sempre elegantes. E é a hipérbole disto mesmo – porque é possível engarrafar e provar o atlântico! – que inspira a mais recente campanha digital da AdegaMãe, sustentada num novo vídeo acabado de lançar nas redes sociais: o vídeo AdegaMãe – Atlantic Wines.

A produção AdegaMãe – Atlantic Wines (assinada pela Bro e já disponível online: https://youtu.be/BhtY5bx-COo) é literalmente um banho de inspiração atlântica, que se propõe a desconstruir um certo tradicionalismo muitas vezes associado à comunicação no sector do vinho. A proposta é original, irreverente, até de acordo com a modernidade do projecto AdegaMãe, inaugurado em 2011, mas cultivando igualmente a exigência e ousadia de uma casa já considerada Empresa do Ano no sector do vinho, alvo dos mais diversos prémios para os seus vinhos e frequentemente referida entre as adegas mais distintas do País, pela arquitetura e enoturismo de excelência.

“O lançamento deste vídeo é mais um passo importante dentro da nossa estratégia de comunicação, que implica uma aposta muito relevante no digital. E se a nossa região e os nossos vinhos são tão diferenciadores e únicos, tentámos que esta campanha fosse o espelho disso mesmo”, explica Bernardo Alves, diretor-geral da AdegaMãe. O Filme AdegaMãe – Atlantic Wines foi criado e produzido pela BRO, com a realização de Simão Cayatte, o mais recente vencedor da melhor curta metragem nos prémios Sophia. A direção de fotografia é de Tomás Paiva Raposo. O ator é Samuel Alves.

 

Sobre a AdegaMãe

A AdegaMãe nasce do investimento do Grupo Riberalves numa nova área de negócio e surge como uma homenagem da família Alves à sua matriarca, Manuela Alves. O conceito de “Mãe” é a inspiração para um espaço de nascimento, de criação, no qual se pretende potenciar as melhores uvas e fazer nascer os melhores vinhos. Localizada no Concelho de Torres e vocacionada para a produção de vinhos com características muito próprias, graças à proximidade do mar e influência do Clima Atlântico, a AdegaMãe é, igualmente, uma referência para o enoturismo da Região de Lisboa, destacando-se pela arquitetura exclusiva e por todas as atividades desenvolvidas em torno da vinha e do vinho. Sendo uma empresa do Grupo Riberalves, a marca Dory (inspirada nos Dóris, embarcações antigamente utilizadas pelos portugueses na pesca do bacalhau) representa a principal gama de vinhos comercializados. Depois da primeira vindima, realizada em 2010, a AdegaMãe tem vindo a colher reconhecimento no mercado nacional e internacional, para onde canaliza 60% da sua produção. Em 2016 a AdegaMãe foi eleita Empresa do Ano no Sector do vinho em Portugal, nos prémios atribuídos pela Revista de Vinhos. No mesmo ano, conquistou o Grande Prémio Escolha da Imprensa, com o vinho Dory Reserva Branco 2014. Em 2017 alcançou o Prémio Excelência (AdegaMãe Terroir 2013).

 

AdegaMãe Terroir. Nasce a expressão máxima dos vinhos de inspiração atlântica

 

  • AdegaMãe apresenta os seus primeiros topos de gama e lança uma nova categoria de vinhos na Região de Lisboa, propondo-se à mais exigente interpretação do terroir atlântico.
  • Novos AdegaMãe Terroir Tinto 2012 e AdegaMãe Terroir Branco 2013 são produzidos a partir de colheitas excepcionais – e só em anos excepcionais serão reeditados.
  • AdegaMãe Terroir terão preço recomendado de 39 euros; AdegaMãe lança ainda no mercado as novas colheitas Dory Reserva Tinto e Dory Reserva Branco.

 

Torres Vedras, 17 de Outubro de 2016

A Oeste tudo de novo. Seis anos depois da primeira vindima, a AdegaMãe – Empresa do Ano 2015 no sector do vinho – cumpre mais um passo e lança no mercado os seus primeiros vinhos Topo de Gama. A casa de Torres Vedras apresenta o patamar mais elevado das suas referências, estreando a marca AdegaMãe Terroir. Nasce assim a expressão máxima AdegaMãe; nasce a mais exigente interpretação do fantástico terroir atlântico; nasce uma nova categoria de vinhos na Região de Lisboa.

O momento é de exclusividade. Com a marca Terroir a AdegaMãe propõe-se desenhar vinhos inéditos, pela complexidade, pela qualidade, pelo trajecto cumprido desde a vinha à adega. São vinhos de assinatura, vinhos estate-bottled da dupla de enólogos constituída por Anselmo Mendes e Diogo Lopes, engarrafados a partir de colheitas excepcionais – e só em anos excepcionais serão reeditados. As primeiras referências lançadas no mercado são precisamente o AdegaMãe Terroir Tinto 2012 e o AdegaMãe Terroir Branco 2013. Em causa estão vinhos exclusivos, em edições de apenas 3006 (tinto) e 2765 garrafas (branco), cada uma delas numerada como forma de realce do seu carácter único, e que terão um preço recomendado de 39 euros.

Além dos estreantes AdegaMãe Terroir, a AdegaMãe lança ainda no mercado os novos Dory Reserva Tinto 2013 e Dory Reserva Branco 2014, actualizando as colheitas de vinhos que se tornaram uma referência no segmento (12 euros). “Este é um momento importante para a AdegaMãe. Além da actualização dos nossos Dory Reserva, chegámos finalmente ao momento de lançamento da nossa referência mais extraordinária, AdegaMãe Terroir. Este é um passo que só o tempo nos permite e que muito nos orgulha. Acreditamos estar perante grandes vinhos que muito vêm valorizar o portefólio AdegaMãe e que, esperamos, possam ser um exemplo de excelência desta extraordinária Região de Vinhos de Lisboa”, sintetiza Bernardo Alves, director-geral da AdegaMãe.

Os terroir e os vinhos, segundo a equipa de enologia

Orografia de colinas; solos argilo-calcários de reacção alcalina; o clima de influência atlântico; as castas nacionais e internacionais melhor adaptadas à região; e, por fim, as técnicas e a influência do homem. São estas as características que ajudam a definir “o terroir de excelência a Oeste”, segundo a equipa de enologia. Aqui nascem os vinhos AdegaMãe. Diogo Lopes, enólogo da AdegaMãe, apresenta os novos Topos de Gama em detalhe:

 

AdegaMãe Terroir Tinto 2012

A vindima de 2011 ficou para a história como uma das mais ricas em termos nacionais. No caso específico da AdegaMãe, 2012 não lhe ficou atrás, pelo contrário, revelou uma produção ainda mais interessante. Graças a um ano menos extremado do ponto de vista climático, mais equilibrado no final do ciclo, as vinhas da AdegaMãe evoluíram para uma maturação perfeita reunindo as condições essenciais para que as uvas expressassem as suas melhores características, especialmente quando o que está em causa é a procura da mais genuína interpretação deste terroir de influência atlântica.

 “Identificámos as melhores parcelas e avançámos para uma vindima manual, seleccionando os melhores cachos. Na adega, trabalhámos diferentes diferentes castas em diferentes barricas, seleccionando por vezes floresta a floresta. Depois fomos analisando a evolução e identificámos as barricas que claramente se destacavam para contruir o lote deste vinho”, afirma Diogo Lopes. “Acreditamos estar perante um vinho de excepção, um tinto marcado também por uma característica pouco comum, que é a sua mineralidade. Diria que é muito marcado pelo equilíbrio. Entre acidez e concentração de álcool é um vinho sempre muito equilibrado”, conclui Diogo Lopes.

Castas: Touriga Nacional e Merlot.

Notas de prova: Muito complexo. Notas de resina, mineral e fruto preto. Vigoroso na boca, com bastante estrutura. Taninos maduros e intensos. Bem casado com madeira. Final persistente, longevo.

Preço recomendado: 39 euros

 

AdegaMãe Terroir Branco 2013

As experiências efetuadas desde a primeira vindima AdegaMãe, em 2010, permitiram confirmar o comportamento de cada casta em cada parcela. E assim se identificaram as uvas com maior potencial para o branco topo de gama que agora nasce, resultante de um lote que expressa, segundo a equipa de enologia, traços verdadeiramente genuínos de um vinho da Região de Lisboa: mineralidade, frescura e até salinidade.

 “Em enologia, o tempo é sempre o melhor conselheiro. Temos vinhas riquíssimas para produção de brancos, mas ao longo destes anos conseguimos identificar, entre cada casta, quais as parcelas que apresentam expressões mais diferenciadoras. As uvas para o nosso AdegaMãe Terroir Branco vêm de parcelas mais calcárias, capazes de reforçar de forma ainda mais vincada a identidade atlântica destes vinhos”, avança Diogo Lopes. “Este é um branco que nos transporta para sensações às quais não estamos habituados, de grande complexidade. É um vinho mineral e marcadamente de influência marítima, com um toque de alguma salinidade. A madeira está presente em equilíbrio, mas sem que se deixe dominar por ela”, termina Diogo Lopes.

 Castas: Viosinho, Alvarinho e Arinto.

Notas de prova: Aroma complexo, mineral e fumado. Volumoso na boca, com untuosidade, acidez firme e final salino.

Preço recomendado: 39 euros

 

Os novos Dory Reserva Tinto e Dory Reserva Branco

Para além dos novos Topos de Gama, a AdegaMãe lança ainda no mercado as novas colheitas Dory Reserva Tinto e Dory Reserva Branco:

 

Dory Reserva Tinto 2013

A edição 2013 do Dory Reserva, emblemático tinto da AdegaMãe, mantém a aposta num perfil rico e complexo, mantendo o lote estreado com a colheita de 2012, em que a Touriga Nacional se apresenta como a casta predominante, complementada com o Merlot, Cabernet Sauvignon e Petit Verdot. “Estamos mais uma vez na presença de um vinho complexo e com estrutura, com um bom potencial de envelhecimento. É mais uma colheita que confirma a herança das anteriores, impondo-se pela elegância. Continuamos a trabalhar este Dory Reserva como uma referência entre os grandes tintos de Lisboa e os melhores tintos nacionais para o segmento imediatamente acima dos 10 euros, onde o nosso país apresenta vinhos verdadeiramente incríveis, explica Diogo Lopes. 

Castas: Touriga Nacional, Merlot, Cabernet Sauvignon e Petit Verdot.

Notas de prova: Cor ruby. Notas violetas, pimentão e especiaria. Fruta bem madura e bem integrada. Boa presença na boca, com as notas de fruta a reaparecerem. Termina com elegância.

Preço recomendado: 12 euros.

 

Dory Reserva Branco 2014

O Dory Reserva Branco 2014 apresenta uma novidade importante relativamente ao antecessor, perdendo a casta Arinto. O Viosinho, pelo seu comportamento e qualidade, ganhou protagonismo nos principais vinhos de lote da AdegaMãe e continua aqui a ser a casta predominante, num lote com Alvarinho e Chardonnay. “É um branco fermentado em barricas de 400 litros, mas agora trata-se de madeira usada, portanto, mais discreta, realçando o carácter autêntico das variedades, a mineralidade e salinidade. O ano também foi mais equilibrado, pelo que a graduação alcoólica é menor, realçando ainda mais a fruta e a frescura. Creio que demos mais um passo em frente com este Dory Reserva Branco no sentido de o afirmar, à imagem do Dory Colheita Branco, como um dos melhores vinhos brancos no segmento”, termina Diogo Lopes.

Castas: Viosinho, Alvarinho e Chardonnay.

Notas de prova: Cor amarelo citrino. Grande riqueza aromática com notas de caroço, pêra e mel. Tudo em elegância, barrica muito bem integrada. Final intenso com mineralidade.

Preço recomendado: 12 euros.

 

 

 Sobre a AdegaMãe

A AdegaMãe nasce do investimento do Grupo Riberalves numa nova área de negócio e surge como uma homenagem da família Alves à sua matriarca, Manuela Alves. O conceito de “Mãe” é a inspiração para um espaço de nascimento, de criação, no qual se pretende potenciar as melhores uvas e fazer nascer os melhores vinhos. Localizada no Concelho de Torres e vocacionada para a produção de vinhos com características muito próprias, graças à proximidade do mar e influência do Clima Atlântico, a AdegaMãe é, igualmente, uma referência para o enoturismo da Região de Lisboa, destacando-se pela arquitectura exclusiva e por todas as actividades desenvolvidas em torno da vinha e do vinho. Sendo uma empresa do Grupo Riberalves, a marca Dory (inspirada nos Dóris, embarcações antigamente utilizadas pelos portugueses na pesca do bacalhau) representa a principal gama de vinhos comercializados. Depois da primeira vindima, realizada em 2010, a AdegaMãe tem vindo a colher reconhecimento no mercado nacional e internacional, para onde canaliza 60% da sua produção. Em 2015 a AdegaMãe foi eleita Empresa do Ano no Sector do vinho em Portugal, nos prémios atribuídos pela Revista de Vinhos.

Novas colheitas Dory: os vinhos bandeira da AdegaMãe, ou uma grande marca para o dia-a-dia

EMPRESA DO ANO NO SECTOR DO VINHO LANÇA DORY BRANCO 2015 E DORY TINTO 2014

 

  • Foi num evento muito especial a bordo do Creoula (o antigo bacalhoeiro inspirou a imagem da marca Dory) que a AdegaMãe antecipou as novidades que agora chegam ao mercado. Frescura e potencial gastronómico são as notas dominantes das novas colheitas Dory, grandes vinhos desenhados para o consumo no dia-a-dia, em especial para acompanhar a gastronomia do Verão.

 

Torres Vedras, 28 de Julho de 2015

A imagem do rótulo diz tudo: um pescador português entregue ao seu dóri, na pesca do bacalhau, e ao fundo o bacalhoeiro Creoula. Foi a bordo deste mesmo Creoula, hoje navio da Marinha Portuguesa, que a AdegaMãe antecipou no último fim-de-semana as novas colheitas da sua marca de referência, Dory. Vinhos frescos e de inspiração atlântica que evocam, também, toda a epopeia da pesca do bacalhau, ou não fosse a AdegaMãe uma empresa do Grupo Riberalves.

João Alves, precisamente o fundador da Riberalves, e o seu filho mais novo, Bernardo Alves (que assumiu a direcção da nova área de negócio) partilharam com parceiros e amigos os novos Dory Branco 2015 e Dory Tinto 2014 acabados de lançar no mercado. Foi um evento carregado de simbolismo, em pleno Creoula, um dos navios presentes na The Tall Ships Race, competição que teve como vinho oficial precisamente a AdegaMãe. O palco ideal, portanto, para apresentar as colheitas destes vinhos que são já a principal imagem da casa de Torres Vedras e que, pela qualidade e preços apresentados, apontam a um claro objectivo: ser referência no mercado para o consumo no dia-a-dia.

“Os vinhos Dory são os vinhos bandeira da AdegaMãe, um projecto recente mas já alvo de grande reconhecimento. Fomos distinguidos Empresa do Ano no sector e temos um objectivo muito concreto: fazer com que a marca Dory, que se tem afirmado pela sua qualidade, seja cada vez mais reconhecida como uma grande marca nacional. Temos o potencial para isso e vamos continuar a fazer tudo para cumprir esse potencial”, afirma Bernardo Alves.

Diogo Lopes, enólogo da AdegaMãe, destaca o carácter versátil e gastronómico destes dois vinhos, muito marcados pela influência do clima atlântico. “São vinhos muito frescos e quase gulosos. Tanto o Dory Branco, principalmente com os pratos de peixe e marisco, como o Dory Tinto, com as carnes e saladas, são companhias perfeitas para as nossas refeições, especialmente no Verão”, explica. “A forma como temos vinho a trabalhar os vinhos Dory e o modo como têm sido recebidos, no mercado nacional e internacional, deixa-nos muito orgulhosos”, termina Diogo Lopes, passando a uma apresentação mais técnica de cada referência:

 

DORY COLHEITA BRANCO 2015

“As castas Viosinho e Alvarinho – esta última em estreia – assumem um papel preponderante no lote do Dory Colheita Branco, temperado ainda com Arinto e Viognier. As expressões atlânticas das nossas uvas, especialmente do Viosinho e do Alvarinho, acentuam as notas de iodo, salinas, em linha com aquilo que tem vindo a ser o perfil de máxima frescura deste vinho, mas agora talvez num plano ainda mais distinto e arrojado. É seguramente um dos melhores vinhos do segmento”.

 

CASTAS: Viosinho, Alvarinho, Arinto e Viognier

NOTA DE PROVA: Aroma muito fino e elegante, com notas de toranja, pêssego branco e ligeira mineralidade. Perfil marcadamente atlântico, intenso e refrescante.

GASTRONOMIA: Ideal a acompanhar qualquer tipo de peixe e marisco. Perfeita combinação sushi e saladas.

PVP referência: 4,5 euros

 

DORY COLHEITA TINTO 2014

“A edição 2014 confirma a aposta na interpretação atlântica da nossa Touriga Nacional, que já tínhamos colocado no lote em 2013, mas que agora se torna a principal casta. A fruta, o floral e o carácter mais elegante oferecido pela Touriga Nacional elevam o Dory Tinto para outro nível, sem prejudicar aquilo que já o definia e procuramos continuar a garantir: um vinho fácil, consensual e guloso, que tem sido tão bem recebido em Portugal e, por exemplo, nos Estados Unidos”.

 

CASTAS: Touriga Nacional, Tinta Roriz, Merlot e Syrah

NOTA DE PROVA: Cor ruby. Bela intensidade aromática, com uma mistura de notas violetas, frutos silvestres, cassis e pimentão. Na boca é sumarento, com a fruta a reaparecer. Muito elegante, fino, com taninos gulosos.

GASTRONOMIA: Ideal no acompanhamento de pratos de peixe no forno, bacalhau assado e carnes grelhadas.

PVP referência: 4,5 euros

 

Sobre a AdegaMãe

A AdegaMãe nasce do investimento do Grupo Riberalves numa nova área de negócio e surge como uma homenagem da família Alves à sua matriarca, Manuela Alves. O conceito de “Mãe” é a inspiração para um espaço de nascimento, de criação, no qual se pretende potenciar as melhores uvas e fazer nascer os melhores vinhos. Localizada no Concelho de Torres e vocacionada para a produção de vinhos com características muito próprias, graças à proximidade do mar e influência do Clima Atlântico, a AdegaMãe é, igualmente, uma referência para o enoturismo da Região de Lisboa, destacando-se pela arquitectura exclusiva e por todas as actividades desenvolvidas em torno da vinha e do vinho. Sendo uma empresa do Grupo Riberalves, a marca Dory (inspirada nos Dóris, embarcações antigamente utilizadas pelos portugueses na pesca do bacalhau) representa a principal gama de vinhos comercializados. Depois da primeira vindima, realizada em 2010, a AdegaMãe tem vindo a colher reconhecimento no mercado nacional e internacional, para onde canaliza 60% da sua produção. Em 2015 a AdegaMãe foi eleita Empresa do Ano no Sector do vinho, nos prémios atribuídos pela Revista de Vinhos.

AdegaMãe lança Roteiro Especial para celebrar o Dia da Mãe

AdegaMãe lança Roteiro Especial para celebrar o Dia da Mãe

 

O próximo dia 1 de Maio, Dia da Mãe, surge como uma data verdadeiramente especial para a AdegaMãe, projecto de enoturismo do Grupo Riberalves reconhecido como empresa do ano sector do vinho em Portugal. A AdegaMãe nasceu como homenagem da família Alves à sua matriarca, Manuela Alves, e a adega é ela própria a evocação de um espaço de nascimento, de criação, onde as uvas evoluem para grandes vinhos.

Para celebrar precisamente o Dia da Mãe, a AdegaMãe lançou um programa específico de enoturismo, o Roteiro Especial Dia da Mãe, desenhado a pensar nas famílias que pretendem homenagear as suas mães com uma experiência distinta. O roteiro inclui uma aventura de jipe, entre as serras que fazem a paisagem de vinhedos da Região Oeste e costa Atlântica da zona de Santa Cruz (visita à histórica azenha local); haverá um “kit Mãe” para lanche matinal e, depois, no regresso, uma visita guiada à adega que termina com o célebre almoço AdegaMãe – o famoso bacalhau assado, ou não fosse a AdegaMãe uma empresa do Grupo Riberalves.

O Roteiro Especial Dia da Mãe está disponível por um preço de 70 euros (duas pessoas), mas como se trata de uma experiência familiar, cada elemento adicional terá um custo de 25 euros. Os interessados apenas na visita à adega e no almoço pagam 35 euros. Toda a informação está disponível em enoturismo@adegamae.pt, no 261950105, em www.adegamae.pt ou no Facebook https://www.facebook.com/adegamae/.

Sobre a AdegaMãe

Empresa do ano 2015 no sector do vinho em Portugal, a AdegaMãe, inaugurada em 2011, resulta  do investimento do Grupo Riberalves numa nova área de negócio e surge como uma homenagem da família Alves à sua matriarca, Manuela Alves. O conceito de “Mãe” é a inspiração para um espaço de nascimento, de criação, no qual se pretende potenciar as melhores uvas e fazer nascer os melhores vinhos. Localizada no Concelho de Torres e vocacionada para a produção de vinhos com características muito próprias, graças à proximidade do mar e influência do Clima Atlântico, a AdegaMãe é, igualmente, uma referência para o enoturismo da Região de Lisboa, destacando-se pela arquitectura exclusiva e por todas as actividades desenvolvidas em torno da vinha e do vinho. Sendo uma empresa do Grupo Riberalves, a marca Dory (inspirada nos Dóris, embarcações antigamente utilizadas pelos portugueses na pesca do bacalhau)  representa a principal gama de vinhos comercializados. A exportação assume 60 por cento do volume de vendas.

Sushi Fest. AdegaMãe é o vinho oficial do primeiro festival europeu de sushi

· Evento arranca no próximo dia 2 de Julho, em Oeiras, no Palácio do Marquês de Pombal. Produtor da Região de Lisboa propõe os seus vinhos de inspiração atlântica para acompanhar o melhor sushi

Torres Vedras, 30 de Junho de 2015

Harmonizar sushi e vinho. Desafio para especialistas? Campo aberto a diversas possibilidades? Ou apenas uma questão de inspiração individual, sempre na procura do prazer que resulta de uma refeição perfeita? Esta experiência vai ter um ponto alto no próximo fim-de-semana, no Sushi Fest, o primeiro festival europeu de sushi, que tem a AdegaMãe como marca de vinhos oficial.

O Sushi Fest arranca já na próxima quinta-feira, dia 2 de Julho, no magnífico Palácio do Marquês de Pombal, em Oeiras. E o desafio de estar à altura do sushi de Paulo Morais, Daniel Rente e Anna Lins, referências nacionais na cozinha nipónica, vai ser assumido pela AdegaMãe, produtor da Região de Lisboa, que propõe os seus vinhos de inspiração atlântica para acompanhar o melhor sushi.

“O perfil dos nossos vinhos, muito frescos e minerais, é uma garantia de sucesso na harmonização com o sushi. Por outro lado, como produtores de referência da Região de Lisboa, não podíamos ficar fora de um evento que vai marcar a agenda e surge como mais uma oportunidade de divulgação da nossa qualidade: queremos mostrar às pessoas que, na Região de Lisboa, nascem vinhos de qualidade mundial”, afirma Bernardo Alves, director geral da AdegaMãe.

A caminho de completar apenas cinco anos de actividade, a AdegaMãe tem vindo a ganhar reconhecimento a nível nacional e internacional. Na edição de Junho da prestigiada revista Wine Enthusiast, os dois vinhos topo-de-gama da AdegaMãe – Dory Reserva Tinto 2011 e Dory Reserva Branco 2013 – foram avaliados com 92 pontos, integrando a lista dos 10 melhores vinhos portugueses e 30 melhor pontuados a nível mundial. O crítico Roger Voss destacou ainda o caso particular do Dory Reserva Tinto 2011, o vinho mais premiado da AdegaMãe (Prémio Escolha de Imprensa Portuguesa em 2014, por exemplo), com a distinção “Editor’s Choice”.

ADEGAMÃE PROMOVE ROTEIRO ESPECIAL PARA O DIA DA MÃE

· Adega de Torres Vedras promove um programa especial para o Dia da Mãe, que inclui passeio de jipe à descoberta da região, visita à adega e culmina com uma experiência gastronómica: almoço de harmonização de vinhos com bacalhau.

· Roteiro Especial AdegaMãe tem condições especiais e é vocacionado para as famílias.

Lisboa, 20 de Abril de 2015

A AdegaMãe lança no próximo dia 3 de Maio, Dia da Mãe, um programa especial de homenagem a todas as mães. Localizada a 30 minutos de Lisboa, a adega de Torres Vedras, empresa do Grupo Riberalves inaugurada em 2011 como uma homenagem da família Alves à sua matriarca, Manuela Alves, lança nesta ocasião o Roteiro Especial Dia da Mãe, uma proposta de enoturismo e gastronomia vocacionada para as famílias.

 

AF_AMsalaFotoP

O Roteiro Especial Dia da Mãe começa com uma manhã de contacto com a beleza da Região Oeste, num passeio de jipe à descoberta dos encantos da Serra e do Mar, e da forma como influenciam os vinhos especialmente frescos e minerais nascidos na região. O programa é seguido de visita à AdegaMãe, adega de referência pela arquitectura, pelo enoturismo e pela moderna vocação produtiva, chefiada pelos enólogos Anselmo Mendes e Diogo Lopes. Por fim, segue-se um almoço de celebração que apresenta uma harmonização de vinhos com bacalhau – com o selo de excelência Riberalves.

O programa está disponível para um mínimo de duas pessoas, pelo valor de 70 euros, e é especialmente indicado para famílias, já que cada elemento adicional tem acesso à experiência completa por um custo de 25 euros. Para quem tenha interesse apenas no almoço e na visita à adega, o custo individual é de 25 euros. As reservas/marcações estão disponíveis até ao dia 30 de Abril através de enoturismo@adegamae.pt e do telefone 261 950 100.

Roteiro Especial Dia da Mãe // 3 de Maio // Programa

10H00 Encontro na AdegaMãe Entrega de Kit/lanche AdegaMãe Partida para o passeio de Jipe – Costa Atlântica e Serra do Socorro

13H00 Regresso à AdegaMãe Visita guiada Almoço de celebração

Preços Programa completo: 70 euros (duas pessoas); 25 euros (pessoa extra) Visita AdegaMãe e almoço: 25 euros (individual)

Sobre a AdegaMãe A AdegaMãe nasce do investimento do Grupo Riberalves numa nova área de negócio e surge como uma homenagem da família Alves à sua matriarca, Manuela Alves. O conceito de “Mãe” é a inspiração para um espaço de nascimento, de criação, no qual se pretende potenciar as melhores uvas e fazer nascer os melhores vinhos. Localizada no Concelho de Torres e vocacionada para a produção de vinhos com características muito próprias, graças à proximidade do mar e influência do Clima Atlântico, a AdegaMãe é, igualmente, uma referência para o enoturismo da Região de Lisboa, destacando-se pela arquitectura exclusiva e por todas as actividades desenvolvidas em torno da vinha e do vinho. Sendo uma empresa do Grupo Riberalves, a marca Dory (inspirada nos Dóris, embarcações antigamente utilizadas pelos portugueses na pesca do bacalhau)  representa a principal gama de vinhos comercializados. A exportação assume 60 por cento do volume de vendas.

DORY RESERVA 2011. ADEGAMÃE APRESENTA MAIS UM GRANDE TINTO NASCIDO NA REGIÃO DE LISBOA

–       O sucessor do vinho mais premiado da AdegaMãe acaba de ser lançado no mercado.

–       A casta Cabernet Sauvignon junta-se à Touriga Nacional e Syrah, resultando num Reserva elegante e com outra estrutura.

 

 

Torres Vedras, 21 de Julho de 2013

Na extraordinária vindima que abençoou a generalidade das adegas portuguesas, em 2011, nasceu igualmente na AdegaMãe a oportunidade de potenciar uvas de grande qualidade. Nesse ano, os melhores bagos de Touriga Nacional, Syrah e Cabernet Sauvignon chegaram à adega, depois de uma vindima manual, e evoluíram num estágio de 14 meses em barricas novas de carvalho francês e americano. E assim nasceu mais um grande tinto na Região de Lisboa: o Dory Reserva 2011.

O sucessor do mais premiado vinho da AdegaMãe – o Reserva Tinto 2010 – aponta igualmente a um patamar de excelência, com essa particularidade que lhe dá um novo perfil: a casta Cabernet Sauvignon é uma novidade no lote de Touriga Nacional e Syrah.

“O nosso compromisso nos vinhos Reserva é simples: utilizar as melhores uvas. No grande ano que foi 2011, o Cabernet Sauvignon destacou-se e para além de ter sido engarrafado como monocasta,  naturalmente que integrou o lote do Reserva. O resultado é um vinho com a elegância característica da nossa região, mas talvez com mais corpo, mais estrutura, mais nervo, característica trazida pelo Cabernet Sauvignon. Sabemos que tivemos muito sucesso com o Reserva 2010 e acreditamos que estamos no mesmo caminho com o seu sucessor”, explica o enólogo Diogo Lopes. 

O Dory Reserva Tinto 2011 é produzido em solos argilo-calcários, com as castas Touriga Nacional, Syrah e Cabernet Sauvignon, e tem um preço referência recomendado de 10 euros.

 

Notas de prova

Cor ruby profunda. Aroma muito complexo com notas de frutos pretos, ligeiro floral e bagas silvestres. Folha de tabaco e especiarias. Na boca é um vinho profundo com elegância e taninos firmes. Final longo e persistente.

 

Sobre a AdegaMãe

A AdegaMãe, inaugurada em 2011, resulta  do investimento do Grupo Riberalves numa nova área de negócio e surge como uma homenagem da família Alves à sua matriarca, Manuela Alves. O conceito de “Mãe” é a inspiração para um espaço de nascimento, de criação, no qual se pretende potenciar as melhores uvas e fazer nascer os melhores vinhos. Localizada no Concelho de Torres e vocacionada para a produção de vinhos com características muito próprias, graças à proximidade do mar e influência do Clima Atlântico, a AdegaMãe é, igualmente, uma referência para o enoturismo da Região de Lisboa, destacando-se pela arquitectura exclusiva e por todas as actividades desenvolvidas em torno da vinha e do vinho. Sendo uma empresa do Grupo Riberalves, a marca Dory (inspirada nos Dóris, embarcações antigamente utilizadas pelos portugueses na pesca do bacalhau)  representa a principal gama de vinhos comercializados. A exportação assume 60 por cento do volume de vendas.