Hannu Mikkola dá espetáculo e recorda velhos tempos

Assumindo-se como um dos grandes momentos desportivos do fim-de-semana em Portugal, o Motorshow autoClássico Porto voltou a estar, hoje, em destaque, na Exponor, reunindo muitos milhares de espectadores, incapazes de resistir ao apelo da adrenalina do desporto automóvel.

Com uma grande variedade de viaturas de competição e juntando pilotos mais profissionais com outros mais amadores, o principal destaque centrou-se em Hannu Mikkola, o Campeão do Mundo de Ralis de 1983 e estrela maior do evento, que, mais uma vez, fez o público delirar com as suas controladas derrapagens no mítico Ford Escort MK II, com que se evidenciou no Campeonato do Mundo de Ralis.

Aliás, entre a concorrida sessão de autógrafos, onde distribuiu simpatia, e os momentos que passou a entreter o público na pista desenhada na Exponor ou mesmo na Tertúlia do final do dia, o piloto finlandês foi fazendo algumas revelações curiosas que ajudaram a elevar ainda mais o seu carisma.

Segundo Mikkola, “tenho muitas recordações de Portugal e com este regresso mais uma positiva! Entre as três vitórias que tive em Portugal – um dos meus ralis favoritos -,  talvez a mais significativa tenha sido a última, a de 1984, com o Audi Quattro, num triunfo muito duro e estratégico face aos terríveis rivais da Lancia”. Mas, não deixa de ser curioso que apesar de tido mais expressão como piloto oficial da Audi e ao volante do mítico modelo “Quattro” no Campeonato do Mundo de Ralis, que o Ford Escort (carro igual ao que está a guiar no Motorshow) continue a ser o seu carro favorito, entre as dezenas de modelos diferentes que guiou: “é verdade que o Audi Quattro era muito mais potente e chegou a ter 550 cavalos, mas o Escort era, para mim, onde tudo fazia sentido por ser um carro de tração traseira, mais divertido, fácil de guiar e mais adaptado ao meu estilo de condução”. E se dúvidas houvesse, no Motorshow, todas elas se dissiparam com o piloto de 75 anos, a dar ainda verdadeiras “lições de condução” ao volante do carro inglês nas mãos.

Em termos competitivos, o “Troféu Piloto Motorshow” teve hoje as suas duas primeiras Sessões de Qualificação e primeira Final, estabelecendo a primeira hierarquia de tempos. Mário Barbosa, em Citroën DS3 WRX, com cerca de 600 cv, assumiu-se como o principal favorito à vitória, estabelecendo o melhor tempo na “Final 1”, deixando o “papel secundário” para Gustavo Moura (Ford Fiesta R5), que promete não facilitar a vida ao vencedor da prova nas últimas duas edições, amanhã.

Ao nível das Categorias, Ricardo Soares (Citroën Saxo S1600) na Categoria “2WD”, Mário Barbosa (Citroën DS3 WRX) na Categoria “4WD”, Joaquim Bernardes (VW Golf GTI) na Categoria “Clássicos” e Filipa Sanguedo (Opel Adam R2), na Categoria “Feminino” foram, para já, quem mais se destacou.

Mas grandes definições em matéria de competição só mesmo amanhã, último dia do Motorshow autoClássico Porto 2017, onde se ficará a conhecer o nome do vencedor da edição de 2017 do “Troféu Piloto Motorshow”, após a disputa da Super Final, agendada para as 18h00.

Até lá, no entanto, há um sem número de atrações que vão muito para além da adrenalina dos carros de competição, com o Salão autoClássico – com cerca de 400 viaturas clássicas (onde não faltam modelos das marcas como Ferrari, Porsche, Lamborghini, Aston Martin entre outras) e uma zona comercial de 7.000 m₂ de Automobilia -, a apresentar-se como o cartão de visita mais atrativo.