Melanie Santos à beira do “top 10” na Gold Coast e os Jogos do Rio estão mais perto

João Pereira foi 15º e Miguel Arraiolos, em maré de azar, não conseguiu terminar

 

Melanie Santos fez hoje, na Gold Coast (Austrália), durante a madrugada portuguesa, o melhor resultado da época, ao terminar a segunda etapa da World Triathlon Series (WTS), na 11ª posição, completando em 1h59,13m os 1500 m de natação, 40 km de ciclismo e 10 km de corrida.

Para contexto, recordamos que no passado fim-de-semana a triatleta portuguesa de 20 anos foi 16ª na etapa de Taça do Mundo de New Plymouth, tendo começado a época internacional com um 36º posto em Abu Dhabi, o mês passado.

Obviamente feliz, Melanie não esconde a importância deste resultado para o sonho olímpico do Rio:

“A prova correu muito bem, do início ao fim. Consegui fazer uma boa natação e sair no primeiro grupo. Integrei esse grupo até ao final do ciclismo, que foi bastante duro do início ao fim. No início da corrida senti-me bem e com força e por isso arrisquei e correu bem. Estou bastante satisfeita com o 11º lugar. Deixa-me mais confiante para as restantes provas e dá-me pontos importantíssimos para a qualificação olímpica.”

A competição feminina na Gold Coast foi vencida pela britânica Helen Jenkins (1h56,13m), seguida pela campeoníssima norte-americana Gwen Jorgensen (1h56,43), que viu assim interrompida uma série incrível de 12 triunfos consecutivos em provas da WTS, com o bronze a caber à neozelandesa Andrea Hewitt (1h56,44).

Nos homens, uma boa prestação de João Pereira, em 15º (01h48,36m), numa prova marcada por um segmento de ciclismo extremamente técnico, muito sinuoso e com secções muito estreitas que tornavam as ultrapassagens, no mínimo, muito complicadas.

A prova foi vencida pelo espanhol Mário Mola, que soma o segundo triunfo consecutivo da época em etapas da World Triathlon Series.

Mola terminou a prova em 1h46,28m, tendo seguido sempre no grupo da frente, tanto na natação como na bicicleta, para depois, no seu segmento mais forte, a corrida, bater o compatriota Fernando Alarza e o britânico Jonathan Brownlee, segundo e terceiro classificados, respectivamente.

João Pereira, que é sétimo no “ranking” de qualificação olímpica, matematicamente garantido no Rio, resumiu assim as sensações da prova:

“Foi uma prova regular, onde não fui muito feliz no segmento de bicicleta.

Já um pouco em esforço, ainda acreditei num resultado positivo e consegui mesmo superar-me. Penso que foi um pequeno grande salto para o longo ano que aí vem!”

Já Miguel Arraiolos, teve um percalço nesta prova. Saiu muito atrás na natação e na bicicleta não conseguiu recuperar o suficiente, acabando por desistir.

Claramente desiludido, o atleta nacional continua a lutar por uma presença nos Jogos Olímpicos do Rio mas não escondeu o desalento:

“Não consegui encaixar os ritmos no início do segmento de ciclismo e acabei num grupo atrasado, sem força, e não deu para continuar. Esta foi uma prova na qual não me senti na melhor forma, mas é uma experiência que vamos analisar para retirar as melhores conclusões possíveis.”

O trio nacional regressa a Lisboa segunda-feira, com aterragem prevista no aeroporto da Portela às 21h00.