Patinador Diogo Marreiros carimba mínimos para Taça do Mundo

O patinador Diogo Marreiros, atual bicampeão europeu de Maratona e 10 km P/E e vice-campeão mundial de patinagem em rodas, em 2018, registou, durante o estágio que está a realizar em Hereen, Holanda, o tempo de 1.58,82 minutos nos 1500 metros, batendo o mínimo de 1.59,00 exigido pela ISU (Federação Internacional de Patinagem no Gelo) para acesso às provas de Taça do Mundo de Mass Start (Prova em Linha) de 2020/2021.

Refira-se que nesta modalidade o apuramento para os Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim 2022 é conseguido através das Taças do Mundo e Mundiais, com o período de apuramento a vigorar entre 1 de Julho de 2021 e 16 de Janeiro de 2022.

Diogo Marreiros está a estagiar na Holanda desde o mês passado, no contexto de preparação para uma eventual campanha olímpica sob a égide da Federação de Desportos de Inverno de Portugal (FDI).

O patinador algarvio alcança assim um dos objetivos da época de 2019/20, mesmo em circunstâncias de grande carga. Marreiros obteve esta marca em pleno período de recuperação de uma maratona em pista. “As pernas pesaram muito, sobretudo nas últimas duas voltas, mas conseguimos!”, confessou ainda eufórico o atleta de Lagos.

Para melhor se perceber a dimensão deste tempo, refira-se que Diogo Marreiros —que está a fazer a transição técnica da patinagem com rodas para a patinagem no gelo —, ficou a apenas seis centésimos do recorde nacional da especialidade, na posse do luso-canadiano Paulo Peralta (1.58,76) que remonta a 1998.

Diogo Marreiros continuará em estágio técnico mais duas semanas, pelo que é provável que consiga ainda bater alguns recordes nacionais durante este período.

Sobre a Federação de Desportos de Inverno de Portugal

Há registos que apontam para a introdução do esqui em Portugal por volta de 1918. A partir de 1933 começaram a ser organizadas, com caráter regular, as primeiras competições, o que também resultou nas primeiras participações pontuais de atletas portugueses em olimpíadas de inverno.

No entanto, apenas na última década do século XX, mais concretamente a 15 de maio de 1992, é que foi criada uma federação responsável pela regulamentação dos desportos de inverno em Portugal: a Federação de Desportos de Inverno de Portugal (FDI-Portugal). A autoridade nacional em matéria de desportos relacionados com a neve e gelo tutela as seguintes modalidades: Esqui Alpino, Esqui Nórdico, Esqui Freestyle, Snowboard, Curling, Hóquei no Gelo, Bobsleigh, Skeleton e Luge.

Uma organização sem fins lucrativos, dotada de estatuto de utilidade pública desportiva, com sede na Covilhã, que tem como principais objetivos promover, regulamentar e dirigir, a nível nacional, a prática de desportos relacionados com a neve e gelo, nas vertentes formativa, desportiva e cultural. Cabe também à FDI- Portugal representar o seu conjunto de modalidades desportivas, junto das organizações desportivas nacionais e internacionais.