O MOURINHO DOS AUTOMÓVEIS!

NUNO PINTO É O TREINADOR PORTUGUÊS QUE LANÇA TALENTOS NA F1

 

. Piloto espanhol e holandês estão a testar com a Williams e a Sauber

. Trabalho de treino português foi decisivo e é inovador a nível mundial

. Respeito nos “paddocks” de todo o Mundo

 

A analogia com José Mourinho não é um exagero, também há outro “Special One” português, mas este nos automóveis. Ele é “só” o treinador de algumas das maiores esperanças do automobilismo mundial e dois dos seus pilotos estão mesmo a participar na única sessão de testes de Fórmula 1 desta temporada reservada a rookies. Sim, na pista britânica de Silverstone, as cores nacionais não estão apenas representadas por António Félix da Costa, mas também pelo treinador de pilotos Nuno Pinto e pela sua empresa (também portuguesa) WinWay.

Ao contrário do jogador José Mourinho, o piloto Nuno Pinto teve até um percurso marcado por alguns sucessos em competições nacionais. Já enquanto treinadores, os dois começaram a carreira ainda antes de cumprirem 30 anos de idade, mas enquanto José Mourinho foi campeão nacional, pela primeira vez (no FC Porto), aos 40 anos, Nuno Pinto saboreou o champanhe do seu primeiro sucesso aos… 34 anos!

As diferenças que os separam vão ainda para além dos 15 anos de diferença. José Mourinho tem 50 e Nuno Pinto 35 anos. Um é de Setúbal e o outro é de Lisboa. Um é o treinador mais bem pago do mundo e trabalha por conta de outrem e o outro é um dos poucos treinadores que existem no universo do desporto automóvel e trabalha por… conta própria. Nuno Pinto é também o accionista principal e o gerente da WinWay – Intensive Driver Development Program, a empresa portuguesa que treina os pilotos.

Nuno Pinto, não deixa de ser curioso, admite uma “imensa admiração” por José Mourinho. «Ele é um exemplo para todos os portugueses: na frontalidade, na capacidade de liderança, no profissionalismo, na dedicação, nos sucessos. Eu só lamento que tenha tido uma passagem tão curta pelo Benfica, o clube do meu coração. Um dia gostava de ter a oportunidade de o conhecer. Talvez ganhe coragem para o convidar a assistir a uma corrida… Mas se esse será um dia marcante para Nuno Pinto, o de hoje não o é menos. Afinal, dois dos pilotos treinados pela WinWay estão em acção na pista de Silverstone, na única sessão de testes de Fórmula 1 reservada a rookies. «É um motivo de grande alegria e orgulho para a WinWay. O projecto foi formalmente constituído em 2010 e, em apenas três anos, chegamos com dois pilotos à disciplina máxima do desporto automóvel. É verdadeiramente fantástico! É verdade que, para os pilotos que treinamos, sempre tivemos a Fórmula 1 como objectivo, mas sendo um meio tão exclusivo e tão reservado, é claro que tínhamos dúvidas da altura em que o íamos conseguir. Esta é uma disciplina muito competitiva, mas temos legítimas aspirações em colocar um piloto Mundial de Fórmula 1».

Pelo facto da WinWay ser uma empresa nacional, não deixa de ser curioso que não treine um único piloto nacional. «Infelizmente não trabalhamos com nenhum piloto português. A conjuntura económica poderá servir de justificação, uma vez que, a seguir ao António Félix da Costa, há um vazio geracional que, a curto prazo, dificilmente será preenchido. No entanto, por razões óbvias, claro que, um dia, a WinWay gostaria de levar um piloto nacional ao topo do automobilismo». Por agora, os pilotos WinWay com a Fórmula 1 a um passo são o espanhol Daniel Juncadella e o holandês Robin Frijns.

No “Rookie Days” de Silverstone, o primeiro está a evoluir aos comandos de um Williams-Renault e o segundo num Sauber-Ferrari. «São dois dos nossos pilotos que vêm premiado o seu talento, trabalho e dedicação. Só um grupo muito restrito consegue ter uma oportunidade na Fórmula 1 e os dois já estão a ter essa oportunidade. O Dani (Juncadella) aos 22 e o Robin (Frijns) aos 21 anos. Os dois são, sem dúvida, talentos de excepção, mas tiveram a capacidade e a humildade de perceberem que poderiam evoluir ainda mais com a ajuda de um treinador e de uma estrutura como a da WinWay. Por isso, estamos também orgulhosos de os termos acompanhado até aqui».

E, em Silverstone, Nuno Pinto é a “sombra” dos dois jovens pilotos, fazendo com eles o reconhecimento da pista a pé, analisando a telemetria, discutindo as melhores trajectórias e pontos de travagem e até controlando a preparação física, mas também a alimentação dos seus atletas.

Até ao dia de hoje, são vários os títulos e as vitórias conquistadas por pilotos treinados por Nuno Pinto no automobilismo ao mais alto nível. Nos primeiros anos, acumulou a carreira com a gestão hoteleira, mas em finais de 2009 o potencial encontrado levou-o a constituir a WinWay (em conjunto com o amigo Nuno Cabral), oferecendo serviços específicos que raramente estavam à disposição de pilotos: «Senti necessidade de prestar um serviço ainda mais profissional e foi assim que nasceu a WinWay. Uma estrutura criada com o intuito de apoiar os jovens pilotos na progressão das suas carreiras no deporto automóvel, oferecendo um leque de serviços mais abrangente do que o tradicional “manager” ou agente. Daí que a nossa grande aposta seja o “coaching” e a formação, com um apoio directo aos pilotos em pista. Na generalidade dos desportos os atletas de elite são treinados e acompanhados pelo seu treinador e eu não percebia por que razão os automóveis eram uma excepção. Hoje, é esse o serviço que prestamos. A WinWay acompanha os seus pilotos na totalidade das provas, mas também em diversas actividades complementares, fora dos períodos de competição em pista».

Exemplo disso mesmo é o facto dos dois pilotos que estão a testar os Fórmula 1, em Silverstone, terem acompanhamento total: «Desde 2010 – e no caso do Dani até desde mais cedo – nenhum deles participou numa corrida ou teste sem a presença da WinWay! Ou seja, desde que saíram dos karts e se estrearam nos monolugares, todos os passos foram dados com o nosso apoio».

Para além do “coaching”, a WinWay oferece os tradicionais serviços de management, gestão de imagem, aconselhamento e apoio na angariação de patrocínios, embora Nuno Pinto reconheça que «o grande foco da empresa está, sem dúvida, na melhoria da performance dos pilotos em pista e no potenciamento das suas qualidades como atletas de alta competição, partilhando toda a experiência acumulada ao longo de duas décadas no desporto automóvel».

Sendo o desporto automóvel e a Fórmula 1, em particular, uma modalidade tão exclusiva e competitiva, não deixa de ser notável que uma empresa nacional, com apenas três anos de actividade, consiga levar dois dos seus pilotos à Fórmula 1 – apenas quatro portugueses conseguiram, até hoje, esse feito: Nicha Cabral, Pedro Matos Chaves, Pedro Lamy e Tiago Monteiro. «Estamos, naturalmente, satisfeitos e orgulhosos. Estarmos estes dias no seio da Fórmula 1 demonstra que estamos a fazer bem o nosso trabalho. Hoje, somos conhecidos e respeitados nos “paddocks” de todo o mundo. Os convites da Williams-Renault e da Sauber-Ferrari só nos dão ainda mais motivação para o futuro».

 Prestando este tipo de serviços a pilotos, a WinWay acabou naturalmente por ser recrutada por equipas, como são exemplo a italiana Prema Powerteam e a inglesa Fortec Motorsports, duas das mais experientes e bem sucedidas estruturas das categorias antecâmara da Fórmula 1. Quanto a recursos humanos, são três os elementos que integram a WinWay: Nuno Pinto, Pieter Belmans e, desde esta época, Francisco Villar. «Uma estrutura reduzida, que obriga a que cada um acumule muitas milhas e horas de voo por ano, mas que permite manter um nível de serviço de acordo com o que preconizamos para o projecto».

Principais resultados WinWay:

2009    Vice-Campeão Fórmula BMW Europa – Daniel Juncadella

2010    Campeão Fórmula BMW Europa – Robin Frijns

2011    Campeão Fórmula Renault 2.0 Europa – Robin Frijns

2011    Vencedor Fórmula 3 Intercontinental Cup / GP Macau F3 – Daniel Juncadella

2012    Campeão Fórmula 3 EUROSERIES + FIA F3 European CUP + Masters Zandovoort – Daniel Juncadella (primeiro piloto na história a ganhar todos os títulos de F3 num prazo de 1 ano – Macau, Masters e Campeonato da Europa)

2012    Campeão World Series by Renault – Robin Frijns (o primeiro piloto a ganhar 3

títulos consecutivos, em 3 fórmulas de formação. Uma proeza que nunca foi alcançada por pilotos como Senna, Schumacher, Hamilton ou Vettel).

2013    Vencedores de provas na GP2 (Robin Frijns) e Pódio no DTM em Norisring (Daniel Juncadella).

Lisboa, 18 de Julho de 2013

Deixe uma resposta